Rebento, Filme paraibano, ganha prêmio internacional de cinema

O cinema e a cultura de João Pessoa estão em clima de comemoração. O motivo foi o longa-metragem ‘Rebento’, obra patrocinada pelo edital Walfredo Rodriguez da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), ter recebido o prêmio Golden Sparrow de melhor filme e melhor atriz no Diorama International Film Festival, em Nova Delhi, na Índia.

“Ainda estamos emocionados e felizes com essa grande conquista para o cinema paraibano. Foi fundamental a parceria de financiamento da Prefeitura Municipal de João Pessoa com os realizadores do filme. O Rebento foi primeiro filme de ficção patrocinado pelo edital Walfredo Rodriguez. Com isso, mostramos o quanto é importante fomentar a cultura na Capital”, destacou o escritor e diretor de Rebento, André Morais.

Além da premiação de melhor filme, o longa paraibano também levou a de melhor atriz , com Ingrid Trigueiro. “O reconhecimento do nosso trabalho está nos dando a alegria de receber este prêmio no Diorama International Film Festival. Parabéns ao querido André Morais, elenco e toda equipe do filme Rebento. Viva o cinema paraibano”, comemorou Ingrid.

O Rebento concorreu com outros 15 filmes de vários lugares do mundo como Irã, Turquia, Alemanha, México, Argélia, China e Espanha. É uma produção totalmente paraibana, com mais de 40 artistas envolvidos não só de João Pessoa, mas do estado. O longa foi rodado no sertão da Paraíba, nas cidades de Aparecida, Sousa, Santa Cruz e São Domingos, estimulando a geração de emprego e renda não só na capital paraibana, mas também nas cidades onde foi filmado.



André Morais ainda ressalta a importância de se manter a continuidade nos patrocínios e financiamentos para a cultura local. “Rebento está abrindo portas para outros que virão. Lembrando que não apenas nosso filme, mas várias outras produções financiadas pelo edital Walfredo Rodriguez estão circulando dentro e fora do país. As parcerias também são fruto de uma mobilização de nós artistas que lutamos para que ações como essa da prefeitura tenham continuidade. Pedimos que os futuros patrocínios e financiamentos continuem com essa força e organização. É necessário que a gestão possa continuar com esse olhar ressaltando a importância do poder público no fomento da cultura de nossa cidade e o resultado está aí”, finalizou.

Confira o trailer do filme Rebento:

 

*Hellen Nascimento/Secom-JP

Foto destaque: Divulgação/Cena do filme Rebento

 

Leia também: Confira a lista completa dos indicados ao Oscar 2019

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

 

Creed II tem estreia nos cinemas de João Pessoa esta semana

Hoje é dia de estreias nos cinemas de João Pessoa e esta semana está especial, pois é temporada de Oscar temos dois filmes que estão indicados na categoria de Melhor Filme entrando em cartaz: A Favorita, novo filme com Emma Stone, e Green Book – O Guia. Também estreiam na telona a continuação do primeiro Creed, Creed II, o novo filme da Kéfera Eu Sou Mais Eu, e um filme de Carnaval, Sou o Carnaval de Salvador. Com filmes de vários gêneros, você poderá escolher qual vai assistir nesta semana. Logo abaixo temos a sinopse e o trailer de cada um!



Creed II

creed2
Foto: Divulgação

Após os eventos do filme anterior, Adonis Creed irá enfrentar mais uma luta importante para sua carreira. Com o apoio e suporte de Rocky Balboa, o protagonista se vê num dilema muito grande se deve seguir  adiante nessa batalha ou não. O seu rival é Viktor Drago, filho do antigo opositor de Rocky, Ivan Drago. Agora com mais responsabilidades sobre suas escolhas, Adonis precisa pensar sobre as consequências que esta luta trará não somente para ele, mas também para quem ele ama. Mesmo indo contrário ao que todos pedem, ele resolve ir em frente, em um embate que pode ter fatal.

 

 

Green Book – O Guia

greenbook
Foto: Divulgação

Aqui temos um dos filmes indicados ao Oscar 2019. Green Book traz como protagonistas o personagem do Viggo Mortensen, que interpreta um malandro de Nova York com boas filosofias que está a procura de um emprego quando viu que a sua discoteca faliu, e o personagem do Mahershala Ali que interpreta um pianista muito conceituado que está fazendo uma turnê nos Estados Unidos e acaba contratando o personagem do Viggo para ser seu motorista. O longa se passa nos anos 60 e retrata uma época difícil no país que estava tendo uma grande segregação racial e a relação dos dois personagens. O longa ganhou o Globo de Ouro e é uma das grandes apostas do cinema.

 

 



A Favorita

afavoritaa
Foto: Divulgação

O novo filme do diretor grego Yórgos Lánthimos tem um elenco cheios de estrelas. A história do longa se passa na Inglaterra do século XVIII, e a rainha Ana tem como conselheira e amante a duquesa de Marlborough, interpretada por Rachel Weiz. Em contrapartida, a chegada de Abigail, uma nova empregada da rainha, acaba ameaçando o posto de favoritismo da duquesa, e as duas entram em atrito para ser a favorita da rainha. O filme ganhou dez indicações ao Oscar este ano  e tem na direção um nome com uma estética bastante singular e um humor muito excêntrico, além de ser uma das produções queridinhas pela crítica.

 

Eu Sou Mais Eu  

keferaaaaaa
Foto: Divulgação

O novo filme da youtuber e atriz Kéfera é uma comédia que retrata a vida da cantora esnobe Camila Mendes. Prestes a lançar uma música nova, ela recebe a visita de seu fã número um e após isso ela lembrando de quando era adolescente e sofria bullying na escola. Com a ajuda de seu amigo Cabeça, ela vai aos poucos retomando a sua essência e vai à procura de quem ela realmente é.

 

 

Sou o Carnaval de Salvador

Neste filme temos a retratação do carnaval da Bahia, mas sob o enfoque nas pessoas anônimas, que sustentam toda a euforia dos dias carnavalescos da cidade. Como estamos sempre acostumados a ter uma atenção maior para os artistas que se apresentam nos trios elétricos, o longa resolveu subverter esse padrão e mostrar as pessoas que ficam nas ruas da capital festejando e transmitindo energias na época mais agitada e feliz o ano.   

 

 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: Divulgação

 

Leia também: Confira a lista completa dos indicados ao Oscar 2019

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Confira a lista completa dos indicados ao Oscar 2019

Nesta terça-feira (22) foram divulgados os indicados ao Oscar 2019, que irá acontecer no dia 24 de fevereiro em Los Angeles, nos Estados Unidos. O Oscar é o prêmio mais importante do cinema e muitas expectativas são colocadas para saber quais são os filmes que vão levar a estatueta para casa.

Neste ano a cerimônia não terá um apresentador. Anteriormente a pessoa que foi cotada para apresentar foi o ator e comediante Kevin Hart, mas depois de alguns problemas em função da revelação de alguns tweets homofóbicos, a academia resolveu dispensá-lo da função. No evento, quem ficará responsável pela apresentação do Oscar 2019 são alguns atores e atrizes que vão além de apresentar as categorias e serão também os alívios cômicos da noite.

Os filmes que ganharam bastante destaque nesta edição do Oscar 2019 foram “Roma”, com 10 indicações no total, e “Pantera Negra”, que fez história como o primeiro filme da Marvel concorrendo como Melhor Filme. “Nasce uma Estrela” também está na lista e um das indicações é como melhor atriz para Lady Gaga. “Infiltrado na Klan”, filme do Spike Lee, também está entre os indicados. Outros filmes como “Green Book – O Guia”, “A Favorita” e “Bohemian Rhapsody” também estão no páreo.



Confira abaixo a lista completa com todos os indicados e aproveite para fazer sua maratona e apostas.    

Melhor Filme

Pantera Negra

Nasce Uma Estrela

Bohemian Rhapsody

Green Book

Roma

A Favorita

Vice

 

Melhor Direção

Spike Lee- Infiltrado na Klan

Pawel Pawlikowski – Cold War

Yorgos Lanthimos – A Favorita

Alfonso Cuarón – Roma

Adam McKay – Vice

 

Melhor Ator

Christian Bale – Vice

Bradley Cooper – Nasce Uma Estrela

Willem Dafoe – No Portal da Eternidade

Rami Malek – Bohemian Rhapsody

Viggo Mortensen – Green Book

 

Melhor Atriz

Yalitza Aparacio – Roma

Glenn Close – The Wife

Olivia Colman – A Favorita

Lady Gaga – Nasce Uma Estrela

Melissa McCarthy – Can You Ever Forgive Me?

 

Melhor Ator Coadjuvante

Mahershala Ali – Green Book

Adam Driver – Infiltrado na Klan

Sam Elliott – Nasce Uma Estrela

Richard E. Grant – Can You Ever Forgive Me?

Sam Rockwell – Vice

 

Melhor Atriz Coadjuvante

Amy Adams – Vice

Marina de Tavira – Roma

Regina King – If Beale Street Could Talk

Emma Stone – A Favorita

Rachel Weisz – A Favorita

 

Melhor filme estrangeiro

Capernaum – Líbano

Cold War – Polônia

Never Look Away – Alemanha

Roma – México

Shoplifters – Japão

 

Melhor animação em curta-metragem

Animal Behaviour

BAO

Late Afternoon

One Small Step

Weekends



Melhor Animação

Os Incríveis 2

Ilha dos Cachorros

Mirai

Wi-fi Ralph

Homem-Aranha no Aranhaverso

 

Melhor roteiro adaptado

The Ballad Of Buster Scruggs

Infiltrado na Klan

Can You Ever Forgive Me?

If Beale Street Could Talk

Nasce Uma Estrela

 

Melhor roteiro original

A Favorita

First Reformed

Green Book

Roma

Vice

 

Melhor Fotografia

Guerra Fria

Roma

Nasce Uma Estrela

A Favorita

Never Look Away

 

Melhor trilha sonora

Pantera Negra

Infiltrado Na Klan

If Beale Street Could Talk

Ilha de Cachorros

O Retorno de Mary Poppins

 

Melhor canção original

All The Stars – Pantera Negra

I’ll Fight – RBG

The Place Where Lost Things Go – O retorno de Mary Poppins

Shallow – Nasce Uma Estrela

When A Cowboy Trades His Spurs For Wings – The Ballad Of Buster Scruggs

 

Melhor direção de arte

Pantera Negra

A Favorita

O Primeiro Homem

O Retorno De Mary Poppins

Roma

 

Melhor montagem

Infiltrado na Klan

Bohemian Rhapsody

A Favorita

Green Book

Vice

 

Melhor figurino

The Ballad Of Buster Scruggs – Mary Zophres

Pantera Negra – Ruth Carter

A Favorita – Sandy Powell

O Retorno de Mary Poppins – Sandy Powell

Duas Rainhas – Alexandra Byrne

 

Melhor curta-metragem

Detaintment

Fauve

Marguerite

Mother

Favorite

 

Melhor mixagem de som

Pantera Negra – Steve Boeddecker, Brandon Proctor e Peter Devlin

Bohemian Rhapsody – Paul Massey, Tim Cavagini e John Casali

O Primeiro Homem – John Taylor, Frank A. Montaño.

Roma – Skip Lievsay, Craig Henighan e José Antonio García

Nasce Uma Estrela – Tom Ozanich, Dean Zupancic

 

Melhor Edição de som

Pantera Negra

Bohemian Rhapsody

O Primeiro Homem

Um Lugar Silencioso

Roma

 

Melhores efeitos visuais

Vingadores: Guerra Infinita

Christopher Robin

O Primeiro Homem

Jogador número 1

Han solo: Uma História Star Wars

 

Melhor documentário em longa-metragem

Free Solo

Hale County, This Morning, This Evening,

Minding The Gap

Of Fathers And Sons

RBG

 

Melhor Maquiagem e Cabelo

Border

As Duas Rainhas

Vice

 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: Divulgação

 

Leia também: Bohemian Rhapsody se destaca no Globo de Ouro, confira a lista de vencedores

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

 

Sítio do Picapau Amarelo, clássico da literatura e da tv, irá se tornar filme

A Clube Filmes, produtora especializada em conteúdo, anuncia a produção de seu novo filme, “O Sítio do Picapau Amarelo”, história infantil baseada nos famosos livros de Monteiro Lobato. A direção fica por conta de Fabrício Bittar que assina o roteiro com André Catarinacho e a distribuição será feita pela Galeria Distribuidora.

Narizinho, sua boneca Emília, Pedrinho, Dona Benta, Tia Nastácia e o Visconde de Sabugosa são algumas das personagens mais conhecidas do universo literário infantil. A obra do autor brasileiro Monteiro Lobato conta com 23 volumes.

“Poder contar essa história fantástica, que faz parte de toda uma geração, para novos espectadores é realmente incrível. Estamos bastante animados e ansiosos para começar a rodar logo”, explica Bittar.

A seleção para o elenco infantil começa no próximo mês e a previsão é que as filmagens tenham início ainda neste primeiro semestre. O roteiro, que está sendo trabalhado há um ano, tem o intuito de apresentar às novas gerações as personagens icônicas dos livros de Monteiro Lobato. O filme promete muita aventura e aquele saudosismo de uma infância muito bem vivida.



Sobre a Clube Filmes:

A Clube Filmes é uma produtora focada em conteúdo. Produziu 7 temporadas do programa MTV Sports e co produziu 2 programas do Verão MTV 2013, responsáveis por um aumento de 86% na audiência do canal.

Em 2014, produziu a série “Politicamente incorreto” para o canal FX, maior audiência da história do canal no Brasil e indicada para o prêmio APCA.

Em 2017, lançou seu primeiro longa-metragem “Como se Tornar o Pior Aluno da Escola”, uma coprodução com a Paris Filmes, Warner Bros. e Telecine, que levou mais de 500 mil pessoas aos cinemas.

Em 2018, lançou o filme “Os Exterminadores do Além contra a Loira do Banheiro” numa coprodução com a Warner Bros. e distribuição da Galeria Filmes.

 

*TZM assessoria

Foto destaque: Divulgação

 

Leia também: Crítica: com Bandersnatch, a Netflix está mudando a forma de consumir filmes

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Crítica: com Bandersnatch, a Netflix está mudando a forma de consumir filmes

A série Black Mirror é com certeza uma das mais provocativas, satíricas, inovadoras produções já feitas, e o novo filme da Netflix Bandersnatch, derivado do universo criado por Charlie Brooker, que é responsável também por roteirizar a produção antológica, não foge a regra de causar catarse sob a realidade em quem está assistindo. O próprio criador já reconheceu que esse projeto tenha sido o mais ousado. “Houve vários momentos durante o processo em que achei que era loucura”, afirmou.

A produção de trabalhos autorais desenvolvidos para o streaming é cada vez maior, podendo-se notar claramente que a Netflix está optando pela quantidade ao invés da qualidade em alguns casos. A proposta do enredo de Bandersnatch traz em si algo nunca feito antes no cinema, agora a pessoa que estiver assistindo ao filme poderá escolher qual será o destino final do protagonista.

No roteiro do longa somos apresentados a Stefan Butler, um jovem programador britânico de 19 anos que resolve adaptar o livro Bandersnatch, do autor Jerome F. Davis, e transformá-lo em um jogo totalmente diferente, que segue a mesma premissa, o jogador terá o poder de escolher os caminhos e decisões do personagem.

Aos poucos são apresentadas de início duas opções simples que devem ser tomadas em dez segundos por quem está assistindo. O filme tem a duração de 1h30, mas dependendo das opções escolhidas o tempo irá aumentar. Obviamente que com o decorrer da história as decisões que aparecem acabam aumentando o teor de complexidade e consequentemente a sanidade do personagem que se encontra cada vez mais imersivo e obcecado em terminar de desenvolver o jogo.



bandersnatchh
Foto: Divulgação

O roteiro do filme não é perfeito, com algumas falhas rítmicas ele acaba  sendo um pouco repetitivo em algumas situações, mas é bastante instigante ao colocar em suas mãos o “poder” de escolha com as diretrizes dos indivíduos. Entretanto, a liberdade que o telespectador adquire das alternativas se torna ilusória já que dependendo da opção escolhida o filme/evento acaba te levando para a mesma cena e fazendo com que você escolha a outra possibilidade e te faz seguir algo que não era o esperado.

Em vários momentos o personagem principal se diz estar sendo controlado por algo. Logicamente que esta situação foi pensada propositalmente para que o público exercesse o papel de manipulador e até de vilão. O melhor diálogo no filme exemplifica basicamente o demasiado exercício do poder das instituições sobre os seres, dando o exemplo de que Pac-Man é uma metáfora para isto. O livre arbítrio colocado em questão em Bandersnatch é refletido em diversos segmentos, tanto na ideia do jogo, como na proposta do filme. A ideia ilusória de poder acaba sendo a essência de todo o ocorrido na história e nós sentimos qual a sensação de fazer aquilo que tanto reclamamos na sociedade midiática manipuladora.

Bandersnatch é uma experiência cinematográfica que vale a pena, não é perfeita, mas com certeza a ideia será aprimorada para projetos futuros. Esse é só o começo para uma mudança significativa na forma de como é consumido o cinema atualmente.       

 

Confira o trailer logo abaixo:


 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: divulgação

 

Leia também: Crítica: Bird Box traz uma adaptação que não faz jus ao prometido

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Vidro, filme continuação de Fragmentado, tem estreia nos cinemas

Quinta-feira é dia de estreias nos cinemas do Brasil e aqui em João Pessoa não seria diferente. Nesta semana temos o novo filme do M. Night Shyamalan, diretor responsável pelo filme O Sexto Sentido, que trará a continuação de Corpo Fechado e Fragmentado no novo filme intitulado Vidro. Nas estreias também temos o novo filme da Nicole Kidman, O Peso do Passado, que mostra a atriz completamente diferente em sua aparência do que estamos acostumados, e a animação Como Treinar Seu Dragão 3. Confira abaixo a sinopse e trailer de cada um.

 

Vidro

glasss
Foto: Divulgação

O novo longa do M. Night Shyamalan é a continuação dos filmes Corpo Fechado e Fragmentado, que conta a história dos personagens Kevin Crumb, o homem com 24 personalidades diferentes, David Dunn, o herói inquebrável, e Elijah Price. o homem com osso de vidro, e são dos respectivos longas. Dentro de um manicômio, após os eventos que aconteceram no passado, as personalidades irão sofrer com o jogo da mente ardilosa e genial do cadeirante que é viciado em HQ’s e acredita que eles são os grandes protagonistas das histórias reais de herói. O elenco é recheado de estrelas, além do James McAvoy, Samuel L. Jackson e Bruce Willis, tem também a Sarah Paulson, conhecida por seus papéis em American Horror Story e Anya Taylor-Joy pelo filme A Bruxa.

 

 



 

O Peso do Passado  

nicolee
Foto: Divulgação

O filme estrelado por Nicole kidman ganhou grande visibilidade devido à transformação física que ela estabeleceu para a personagem. Sua atuação está sendo bastante elogiada, sendo considerada por muitos críticos como um dos seus melhores trabalhos e até ganhou uma indicação de melhor atriz dramática no Globo de Ouro deste ano. A narrativa nos apresenta Erin Bell, uma detetive da polícia norte americana que aceita a proposta de se infiltrar numa rede criminosa para ter informações dos bandidos. Após muitos anos ela encontra pistas que remete a este caso e novamente se vê na mesma situação do passado e tendo que resolver de uma vez o caso.

 



Como treinar Seu Dragão 3

dragãoo
Foto; Divulgação

A animação da Dreamswork  faz bastante sucesso entre crianças, jovens e adultos, e nesse filme temos o personagem Soluço que continua na defesa da liberdade dos dragões da sociedade viking e principalmente do Banguela. A obra traz várias alusões às dificuldades da vida real, refletidas em desenho. Tendo um grande reconhecimento da crítica, o filme já concorreu ao Oscar e é considerado um dos melhores atualmente.  

 

 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: divulgação

 

Leia também: Crítica: Bird Box traz uma adaptação que não faz jus ao prometido

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Homem Aranha no Aranhaverso é uma das grandes estreias da semana na capital

Toda quinta-feira é dia de estreias nos cinemas e aqui em João Pessoa não é diferente. O mês de janeiro é sempre cheio de novidades com grandes estreias, pois estamos na temporada de prêmios no cinema e o Brasil terá filmes que estarão no Oscar e também em outras premiações com o BAFTA, Critics Choice Awards, Globo de Ouro. Além da animação Homem Aranha no Aranhaverso, temos o drama A Esposa, filme com a Glenn Close, a fantasia/ficção científica Máquinas Mortais, Amigos Para Sempre e Assunto de Família.

 

Homem Aranha no Aranhaverso     

A nova animação da Sony traz em sua história o Miles Morales, um jovem de Nova York que se tornou o Homem Aranha, mas para sua surpresa ele descobre que existem várias versões do herói divididas em diversas dimensões, como o próprio Homem Aranha, a Spider Gwen, Spider Man Noir, o Spider Ham. O longa recentemente ganhou o Globo de Ouro de melhor animação e é um dos fortes candidatos ao Oscar.

 

A Esposa

Joan Castleman é casada há 40 anos com o renomado escritor que irá receber o prêmio Nobel de Literatura, após ter abandonado seus sonhos e projetos pessoais para apenas se dedicar ao casamento. Em meio a uma viagem para Estocolmo ela percebe o quanto se dedicou à vida de casada e passou por todas as dificuldades de um casamento e as submissões que teve que passar enquanto via a ascensão do esposo. Glenn Close ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz de drama por este filme e muito provavelmente também estará concorrendo ao Oscar.

 



Máquinas Mortais

O filme tem como produtor Peter Jackson, diretor responsável pela trilogia Senhor dos Anéis e O Hobbit. Na trama temos um mundo pós apocalíptico após a ‘Guerra dos Sessenta Minutos’, que eliminou metade da população, fazendo com que agora os países funcionem em rodas gigantes conhecidas como Cidades Tração. Após um atentado, Tom e uma foragida tentam sobreviver às perseguições do governo e uma ameaça ao planeta.

 

Amigos Para Sempre

A obra é inspirada numa história real e também na adaptação do filme francês Intocáveis. Neste novo longa temos o Bryan Cranston, que interpreta um homem paraplégico, amargurado pela vida e sempre rodeado de enfermeiros. Precisando fazer uma nova contratação de uma pessoa que possa ajudá-lo em realizar as atividades, ele resolve contratar um jovem com registro criminal. Com essa nova parceria, os dois acabam se redescobrindo e vivendo a vida da melhor maneira possível.  

 

Assuntos de Família

Uma família pobre que vive de fazer pequenos furtos no Japão acaba encontrando uma menina e resolvem acolhê-la após saberem do que ela estava passando. Mesmo passando por dificuldades financeiras, todos parecem viver felizes apesar dos pesares e terão que se mostrar mais unidos quando as dificuldades aparecem.  

 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: divulgação

 

Leia também: Bohemian Rhapsody se destaca no Globo de Ouro, confira a lista de vencedores

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Bohemian Rhapsody se destaca no Globo de Ouro, confira a lista de vencedores

No último domingo (06) houve a realização do Globo de Ouro, cerimônia que dá início às temporadas de premiação da TV e do cinema e é um dos principais termômetros para o Oscar, o maior evento cinematográfico do ano, que irá acontecer no dia 24 de fevereiro. A premiação acabou surpreendendo ao anunciar o longa Bohemian Rhapsody como melhor filme de drama e Rami Malek como melhor ator de drama ao interpretar Freddie Mercury. Também houve destaque para Roma, filme do Alfonso Cuarón que ganhou como melhor filme estrangeiro e melhor diretor respectivamente. 

Nasce Uma Estrela foi esnobada e acabou somente levando o prêmio de melhor canção original, destaque também para o filme Vice que premiou Christian Bale como melhor ator de comédia ou musical e Green Book: O Guia, que ganhou como melhor filme de comédia ou musical. Glenn Close foi a ganhadora de melhor atriz de drama com The Wife. Na televisão quem se destacou foi a série The Americans que em seu último ano ganhou o Globo de Ouro de melhor série dramática, Sandra Oh, uma das apresentadoras do evento, ganhou como melhor atriz de drama por Killing Eve.

 

Confira a lista completa dos vencedores em negrito:         

Melhor filme – Drama

“Infiltrado na Klan”

“Pantera Negra”

“Bohemian Rhapsody”

“Se a Rua Beale Falasse”

“Nasce uma estrela”

 

Melhor ator de filme – Drama

Bradley Cooper, “Nasce uma estrela”

Willem Dafoe, “At Eternity’s Gate”

Lucas Hedges, “Boy Erased”

Rami Malek, “Bohemian Rhapsody”

John David Washington, “Infiltrado na Klan”

 

Melhor atriz de filme – Drama

Glenn Close, “The Wife”

Lady Gaga, “Nasce uma estrela”

Nicole Kidman, “Destroyer”

Melissa McCarthy, “Poderia Me Perdoar?”

Rosamund Pike, “A Private War”

 

Melhor Filme – Musical ou Comédia

“Podres de ricos”

“A Favorita”

“Green Book: O Guia”

“O Retorno de Mary Poppins”

“Vice”

 

Melhor atriz em filme – Musical ou Comédia

Emily Blunt, “O Retorno de Mary Poppins”

Olivia Colman, “A favorita”

Elsie Fisher, “Oitava Série”

Charlize Theron, “Tully”

Constance Wu, “Podres de Ricos”

 

Melhor série limitada ou filme para TV

“The Alienist”

“The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story”

“Escape at Dannemora”

“Sharp Objects”

“A Very English Scandal”

 

Melhor série – Musical ou Comédia

“Barry”

“Kidding”

“The Good Place”

“O Método Kominsky”

“The Marvelous Mrs. Maisel”

 

Melhor atriz em série – Musical ou Comédia

Kristen Bell, “The Good Place”

Candice Bergen, “Murphy Brown”

Alison Brie, “Glow”

Rachel Brosnahan, “The Marvelous Mrs. Maisel”

Debra Messing, “Will & Grace”



Melhor diretor de filmes

Bradley Cooper, “Nasce uma estrela”

Alfonso Cuarón, “Roma”

Peter Farrelly, “Green Book: O Guia”

Spike Lee, “Infiltrado na Klan”

Adam McKay, “Vice”

 

Melhor ator em série limitada ou filme para TV

Antonio Banderas, “Genius: Picasso”

Daniel Bruhl, “The Alienist”

Darren Criss, “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story”

Benedict Cumberbatch, “Patrick Melrose”

Hugh Grant, “A Very English Scandal”

 

Melhor filme em língua estrangeira

“Capernaum” (Líbano)

“Girl” (Bélgica)

“Never Look Away” (Alemanha)

“Roma” (México)

“Shoplifters” (Japão)

 

Melhor ator em filme – Musical ou Comédia

Christian Bale, “Vice”

Lin-Manuel Miranda, “O Retorno de Mary Poppins”

Viggo Mortensen, “Green Book: O Guia”

Robert Redford, “The Old Man and the Gun”

John C. Reilly, “Stan & Ollie”

 

Melhor atriz coadjuvante em série, série limitada ou filme para TV

Alex Borstein, “The Marvelous Mrs.Maisel”

Patricia Clarkson, “Sharp Objects”

Penélope Cruz, “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story”

Thandie Newton, “Westworld”

Yvonne Strahovski, “O conto da Aia”

 

Melhor roteiro para filme

Barry Jenkins (“If Beale Street Could Talk”)

Adam McKay (“Vice”)

Alfonso Cuarón (“Roma”)

Deborah Davis and Tony McNamara (“A favorita”)

Peter Farrelly, Nick Vallelonga, Brian Currie (“Green Book: O Guia”)

 

Melhor ator coadjuvante em filmes

Mahershala Ali, “Green Book: O Guia”

Timothée Chalamet, “Beautiful Boy”

Adam Driver, “Infiltrado na Klan”

Richard E. Grant, “Poderia Me Perdoar?”

Sam Rockwell, “Vice”

 

Melhor atriz em série – Drama

Caitriona Balfe, “Outlander”

Elisabeth Moss, “O conto da Aia”

Sandra Oh, “Killing Eve”

Julia Roberts, “Homecoming”

Keri Russell, “The Americans”

 

Melhor atriz coadjuvante em filmes

Amy Adams, “Vice”

Claire Foy, “O primeiro homem”

Regina King, “Se a Rua Beale Falasse”

Emma Stone, “A Favorita”

Rachel Weisz, “A Favorita”

 

Melhor música para filmes

“All the Stars”, “Pantera Negra”

“Revelation”, “Boy Erased”

“Girl in the Movies”, “Dumplin”

“Shallow”, “Nasce uma estrela”

“Requiem for a Private War”, “A Private War”

 

Melhor trilha original para filmes

Marco Beltrami, “Um lugar silencioso”

Alexandre Desplat, “Ilha de cachorros”

Ludwig Göransson, “Pantera Negra”

Justin Hurwitz, “O primeiro homem”

Marc Shaiman, “O retorno de Mary Poppins”



Melhor atriz em série limitada ou filme para TV

Amy Adams, “Sharp Objects”

Patricia Arquette, “Escape at Dannemora”

Connie Britton, “Dirty John”

Laura Dern, “The Tale”

Regina King, “Seven Seconds”

 

Melhor ator em série – Musical ou Comédia

Sacha Baron Cohen, “Who is America?”

Michael Douglas, “O Método Kominsky”

Donald Glover, “Atlanta”

Bill Hader, “Barry”

Jim Carrey, “Kidding”

 

Melhor animação

“Os Incríveis 2”

“Ilha dos Cachorros”

“Mirai”

“WiFi Ralph: Quebrando a Internet”

“Homem-Aranha no Aranhaverso”

 

Melhor ator em série – Drama

Jason Bateman, “Ozark”

Stephan James, “Homecoming”

Billy Porter, “Pose”

Richard Madden, “Bodyguard”

Matthew Rhys, “The Americans”

 

Melhor ator coadjuvante em série, série limitada ou filme para TV

Alan Arkin, “O Método Kominsky”

Kieran Culkin, “Succession”

Edgar Ramírez, “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story”

Ben Whishaw, “A Very English Scandal”

Henry Winkler, “Barry”

 

Melhor série – Drama

“The Americans”

“Bodyguard”

“Homecoming”

“Killing Eve”

“Pose”

 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: (Paul Drinkwater/NBC Universal/Handout/Reuters)

 

Leia também: Crítica: Bohemian Rhapsody é uma singela homenagem para uma banda complexa

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Crítica: Bird Box traz uma adaptação que não faz jus ao prometido

O filme Bird Box, nova adaptação da Netflix, conseguiu chamar a atenção do público pelo enredo diferenciado que traz no suspense a possibilidade de você olhar diretamente para a criatura desconhecida que traz tanto medo e desgraça. Na sinopse temos Malorie, uma artista plástica que está grávida e em pouco tempo se encontra em um apocalipse, onde as pessoas estão se matando após verem diante de seus olhos algo transmitido através da criatura, que as fazem tirar a própria vida ou ficarem loucas. Em meio ao caos a protagonista consegue adentrar em uma casa com pessoas que estão tentando sobreviver diante tudo aquilo que está acontecendo. A partir daí começa todo o processo de sobrevivência ao sobrenatural e a convivência em grupo com pessoas de diferentes personalidades tentando sobreviver diante do mundo caótico.

A produção é uma adaptação ao livro de mesmo nome do autor Josh Malerman (Caixa de Pássaros na edição brasileira) e foi um sucesso imediato na plataforma de streaming, sendo considerado o filme original da Netflix que mais foi assistido na semana de estreia, com 45 milhões de visualizações. Entretanto, mesmo o longa fazendo bastante sucesso nas redes sociais e rendendo muitos assuntos para memes, a narrativa da obra não consegue trazer uma ambientação de qualidade para o cenário. O filme não consegue transmitir a real dimensão do horror dos personagens diante da realidade. Com exceção de Sandra Bullock, Sarah Paulson e Trevante Rhodes, todo o restante do elenco traz atuações mornas e sem dramaticidade autêntica. O suspense criado para demonstrar o medo de toda a situação e a dos envolvidos não convence e não traz a importância e risco da vida de todos. As situações de perigo acabam sendo resolvidas ou acabadas de forma clichê, com algum personagem fazendo algo que já vimos antes no cinema.


bird-box-1.1
Fotos: divulgação

Diferentemente de Um Lugar Silencioso, onde também se usa do recurso da falta de um dos sentidos e consegue excepcionalmente bem transmitir o medo dos personagens que ficam em situações agoniantes, Bird Box não consegue harmonizar todas as situações e criar momentos de tensão e apavoramento. As cores utilizadas nas imagens contradizem a essência do contexto explanado, o que contribui para a não imersão das pessoas que estão assistindo. Além disso, a fotografia fica apenas no básico, mas esse não é o problema principal, e sim algo que poderia contribuir significativamente para a narrativa. A complicação real do longa é que, mesmo adaptando fielmente o livro, o filme não consegue transmitir genuinamente o horror que é se viver naquele estado, tornando-o apenas mais um filme de terror sem grandes filosofias por trás, que prometeu muito, mas que no final não mostrou nada de diferente ou significativo.

*Isabelle Vasconcelos | Estagiária sob supervisão

 

Leia também: Crítica: Roma, novo filme do Alfonso Cuarón, traz memórias de infância numa obra prima



Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

A Maldição da Residência Hill é a série de terror de qualidade que estava faltando

A Maldição da Residência Hill é uma série que chegou ao catálogo da Netflix sem nenhum alarde, mas que conseguiu chamar atenção de muitas pessoas e principalmente ganhou grande notoriedade devido à qualidade técnica, tão pouco vista atualmente no gênero de terror. No roteiro somos apresentados a uma família que está de mudança para a Residência Hill e partindo da ideia da mãe Olivia, que é arquiteta, e do pai Hugh, que é engenheiro, resolvem reformar a casa como uma forma de investimento e posteriormente vendê-la.

A série é dirigida por Mike Flanagan, que foi responsável por dirigir Jogo Perigoso, adaptação da obra de Stephen King, e também é conhecido por trabalhar com filmes de terror. Ele consegue criar uma atmosfera mais complexa sobre pessoas que sofreram grandes consequências dos eventos passados. Por se passar em épocas diferentes, o enredo tem intercalações de tempo, mostrando como a família Crane começou a morar na mansão e nos dias de hoje sobre como está o relacionamento familiar entre eles. Após o suicídio da irmã mais nova, a família se reencontra novamente para os preparativos do velório e essa reunião acaba trazendo mais discussões e brigas entre todos que precisam lidar com as atormentações do passado.



hill-house-2.2

A abordagem que A Maldição da Residência Hill apresenta nos cinco primeiros episódios, a perspectiva de cada um dos irmão sobre os acontecimentos tanto do passado como do presente, nos revela a personalidade de cada e suas reações com os fatos, os medos e como isso afetou cada um de forma diferente. O roteiro consegue ser bastante expositivo sobre os traumas dos personagens e como cada um seguiu sua vida de maneira bastante diferente. A qualidade da série é visivelmente percebida no sexto episódio, onde quatro planos sequências são feitos e transitam entre o presente e o passado, em cenas cheias de emoções e nas quais há o ápice emocional dos personagens.

A ambientação é o segmento mais relevante do enredo em não apresentar somente sustos desnecessários para preencher o vazio da falta da qualidade do roteiro, esse talvez seja o motivo da série ter chamado atenção dos críticos e não ter passado despercebida. Em meio a tantas produções que usam o artifício dos jumpscares para chamar a atenção do público, mas não oferecem nada de significativo, a produção da Netflix consegue subverter esse novo paradigma, oferecendo uma história com camadas e personagens complexos que sofrem com os atordoamentos derivados das consequências antigas, onde o sobrenatural é o componente coadjuvante.  

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Fotos: divulgação

 

Leia também: Crítica: Roma, novo filme do Alfonso Cuarón, traz memórias de infância numa obra prima

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3