Saiba o que rola na sua cidade!

Cinema Francófono encerra o ano com documentário sobre a independência do Congo

Cinema Francófono

Em sua décima e última sessão, o projeto de extensão “Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais” apresenta o filme “Lumumba, a morte do profeta” [Lumumba, la mort du prophète/ (Alemanha,França, Suíça, 1992]dirigido pelo cineasta Raoul Peck. A sessão será às 16h desta quinta, 13 de dezembro, no Cine Aruanda (CCTA/UFPB), seguida de debate com Isabella Valle (professora do Dept. de Comunicação da UFPB, fotógrafa, comunicóloga e produtora cultural) e Serge Katembera (doutorando em Sociologia pela UFPB e membro da rede Mondoblog.org da Radio France Internationale – RFI), com mediação de Aécio Amaral (coordenador do projeto e professor do Dept. de Ciências Sociais da UFPB).

Mais conhecido pelos recentes “Eu não sou seu negro” (2016) e “O jovem Karl Marx” (2018), o cineasta haitiano Raoul Peck já vinha de uma carreira de curtas documentais com temática político-sociais nos anos 1980 quando realizou seu primeiro longa, a ficção “Haitian Corner” (1988). Em 1992 lança seu segundo longa, o documentário “Lumumba, a morte do profeta”, onde conta a história de Patrice Lumumba, fundador do Movimento Nacional Congolês, primeiro-ministro em 1960, quando o Congo conquistou a independência e logo depois foi vítima de um golpe de estado impetrado pelo seu vice, Mobutu. Tendo vivido pessoalmente este episódio em sua juventude, trata-se também de uma narrativa pessoal que inclui reflexões sobre o discurso da África pós-colonial e sobre o poder da imagem – ou de sua ausência.



Lançado no dia 7 de maio, o projeto “Cinema francófono: estética, poder e relações interculturais” viabilizou discussões riquíssimas tanto a partir de sessões de cinema seguidas de debates como também de sessões de estudos. Nas primeiras exibições, por ocasião do cinquentenário do Maio de 68, os filmes e discussões escolhidos privilegiam este acontecimento emblemático, seguindo-se de sessões que abordam os mais variados temas como questões raciais, imigração e multiculturalismo, buscando sempre a interface com a contemporaneidade. Chris Marker, Agnès Varda, Jean Rouch, Jean Vigo e Claire Denis foram alguns dos diretores que tiveram suas obras escolhidos pela curadoria para compor o projeto.

De modo paralelo, também ocorreram sessões de estudos que iniciaram, a recepção dos filmes da mostra com discussões teóricas, propondo o exercício de, a partir dos autores, revisitar os filmes do ciclo de exibições e conectar reflexões da atualidade sobre a ótica da estética, do poder e da interculturalidade. Gilles Deleuze, Jacques Rancière, André Bazin e Renato Ortiz foram alguns dos autores estudados para embasar as discussões.



lumumba-filme-2.2
Foto: divulgação/ imagem do documentário Lumumba A Morte do Profeta

O projeto é realizado pelo Grupo de Estudos em Estética, Técnica e Sociedade (DCS/UFPB) e o Departamento de Mediações Interculturais da UFPB, em parceria com a Assessoria para Assuntos Internacionais, Idioma sem Fronteiras, Associação Brasileira dos Críticos de Cinema, Cinemateca da França/Embaixada da França / Institut Français e Alliance Française.

Reafirmando a disposição de partir do cinema como dispositivo gerador de problematizações e contando com a atenção dedicada de especialistas do campo da arte e humanidades, o projeto destacou-se como ação relevante na área de extensão sendo um dos vencedores do Prêmio Elo Cidadão 2018 concedido pela PRAC (Pro-Reitoria de Assuntos Comunitários).

Sinopse: Retrato de Patrice Lumumba, fundador do Movimento Nacional Congolês, primeiro-ministro em 1960, quando o Congo conquistou a independência e logo depois vítima de um golpe de estado impetrado pelo seu vice, Mobutu. Enquanto conta esta história, Raoul Peck elabora uma reflexão pessoal sobre o poder da imagem – ou de sua ausência.

Debatedores: Isabella Valle professora, fotógrafa, comunicóloga e produtora cultural e Serge Katembera
doutorando em Sociologia pela UFPB e membro da rede de blogueiros Mondoblog.org da Radio France
Internationale – RFI.

Mediação: Aécio Amaral coordenador do projeto e professor do Dept. de Ciências Sociais da UFPB.

 

*Ed Junior assessoria 

Foto destaque: divulgação

 

Leia também: Fundação Casa de José Américo celebra 90 anos de A Bagaceira e Macunaíma

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: