Cinema: 6 filmes nacionais sobre política

Em tempos de crise política, nada melhor que o cinema para nos ajudar a entender como funciona o poder no país. Listamos seis filmes nacionais sobre política para refletir sobre vários aspectos do tema!

 

Terra em Transe

terra-em-transe

Um clássico de Glauber Rocha, mostra o senador Porfírio Diaz (Paulo Autran), que detesta seu povo e pretende tornar-se imperador de Eldorado, um país localizado na América do Sul. Porém existem diversos homens que querem este poder, que resolvem enfrentá-lo. Enquanto isso, o poeta e jornalista Paulo Martins (Jardel Filho), ao perceber as reais intenções de Diaz, muda de lado, abandonando seu antigo protetor.

O filme pode ser lido como uma sátira da política brasileira nos anos de 1960 a 1966, criticando os que fizeram parte desse processo, inclusive as várias correntes da esquerda.

 

 

Tropa de Elite 2

tropa-de-elite-2

Nascimento (Wagner Moura), agora coronel, foi afastado do BOPE por conta de uma malsucedida operação. Desta forma, ele vai parar na inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Lá, porém, ele descobre que o sistema que tanto combate é mais podre do que imagina e que o buraco é bem mais embaixo. Uma crítica atual à corrupção nas instituições públicas brasileiras, o filme trata da relação entre segurança pública e financiamento de campanha.

 

 

O Bem Amado

O-bem-amado_divulgação

Após o assassinato do prefeito de Sucupira por Zeca Diabo (José Wilker), começa uma disputa política entre Odorico Paraguaçu (Marco Nanini) e Vladimir (Tonico Pereira) pelo cargo vago. Odorico vence a eleição e toma posse como prefeito, e uma de suas promessas é construir o primeiro cemitério da cidade, para evitar a emigração dos habitantes após morrerem. Só que, após a obra ser concluída, há um problema: ninguém em Sucupira morre, o que impede que o cemitério enfim seja inaugurado. Sofrendo pressão devido a acusações de superfaturamento, Odorico precisa encontrar um meio para que o grande feito de seu mandato não se torne uma grande piada. O filme é uma sátira bem-humorada da política brasileira, mais especificamente do interior do país. Nas pequenas cidades, onde os prefeitos fazem obras majestosas e sem grande utilidade, buscando mais colocar seu nome na placa de inauguração do que beneficiar o povo.

 

 

O que é isso, companheiro?

o-que-e-isso-companheiro-original-1

 

O jornalista Fernando (Pedro Cardoso) e seu amigo César (Selton Mello) abraçam a luta armada contra a ditadura militar no final da década de 60. Os dois alistam num grupo guerrilheiro de esquerda. Em uma das ações do grupo militante, César é ferido e capturado pelos militares. Fernando então planeja o sequestro do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Charles Burke Elbrick (Alan Arkin), para negociar a liberdade de César e de outros companheiros presos. Uma das produções nacionais que abordam o período de ditadura militar no país e o clima da época.

 

 

O ano em que meus pais saíram de férias

o-ano-em-que-meus-pais-saíram-de-férias

Em 1970, Mauro (Michel Joelsas) é um garoto mineiro de 12 anos que adora futebol e jogo de botão. Um dia, sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele. Na verdade, os pais de Mauro foram obrigados a fugir da perseguição política, tendo que deixá-lo com o avô paterno (Paulo Autran). Porém o avô enfrenta problemas, o que faz com que Mauro tenha que ficar com Shlomo (Germano Haiut), um velho judeu solitário que é vizinho do avô de seu avô. Por se passar na ótica de uma criança, o filme divide-se entre retratar a tristeza do menino esperando um telefonema dos pais e a felicidade dele ao acompanhar a Copa do Mundo de 1970.

 

 

Eles não usam black-tie

Eles_Nao_Usam_Black_Tie

Em São Paulo, em 1980, o jovem operário Tião (Carlos Alberto Riccelli) e sua namorada Maria (Bete Mendes) decidem casar-se ao saber que a moça está grávida. Ao mesmo tempo, eclode um movimento grevista que divide a categoria metalúrgica. Preocupado com o casamento e temendo perder o emprego, Tião fura a greve, que é liderada por seu pai, Otávio (Gianfrancesco Guarnieri), um velho militante sindical que passou três anos na cadeia durante o regime militar.

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Quer receber mais conteúdo legal gratuitamente no seu e-mail? Assine a nossa Newsletter!

%d blogueiros gostam disto: