Resenha: Grande Magia, de Elizabeth Gilbert

Desde que vi que a Elizabeth Gilbert tinha lançado Grande Magia – Vida Criativa sem Medo, já fiquei com muita vontade de ler! Eu já conhecia duas palestas do TED da autora sobre criatividade e me interessava muito pelos pensamentos dela sobre o assunto. Só posso dizer que o livro superou muito as minhas expectativas!

 

Gravei um vídeo com a resenha completinha. Confere! (E aproveita para se inscrever no nosso canal clicando aqui)



 

*por Érica Rodrigues: jornalista, formada pela UFPB. Adora viajar e escrever sobre suas experiências, livros e filmes. 

 

Leia mais sobre livros clicando aqui!

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Como usar mármore na decoração (mesmo sem mármore!)

Um material nobre desde a Grécia Antiga, que até hoje é objeto de desejo. O mármore traz a beleza natural das pedras para dentro de casa. A pedra mais usada na decoração é a branca com linhas cinza, mas há muitas variações de cores e manchas. Para te ajudar a usar o mármore na decoração, nós reunimos algumas dicas essenciais.

Essa pedra cabe em qualquer cômodo. Na cozinha, bancadas, mesas e paredes podem ser revestidas. É ideal para o preparo de receitas, como pães e pizzas. Mas fique atento(a) sobre a porosidade da pedra, pois ela pode manchar com facilidade. Para evitar isso, aplique uma pedra impermeabilizada. O mesmo vale para o banheiro. Na área do chuveiro ou na bancada da pia, muitos produtos químicos respingam na pedra. O ideal é usar o material adequado para mantê-lo sempre bonito. Nas salas e quartos também é possível usar o mármore na decoração. Escolha uma parede para revestir e faça dela a protagonista do cômodo.

foto1-1



Para combinar o mármore com outros elementos da decoração, invista em objetos e móveis rosa claro, verde escuro ou azul marinho. A combinação de cada uma dessas cores com o mármore fica lindo. Um pouco de madeira pode ajudar a equilibrar a aparência clean da pedra. Metais são super bem-vindos! Os metais rose e dourado ficam um luxo só nessa composição.

foto2-1

Um cuidado muito importante é não exagerar. Um cômodo com muito mármore na decoração pode ficar com a sensação de frio. Aquela aparência muito clara e lisa da pedra faz com que o morador não se sinta confortável. Em regiões muito quentes, o uso do mármore pode até dar conforto térmico, por ser mais geladinho, mas na hora de criar um clima aconchegante à noite, por exemplo, vai ficar difícil se o cômodo estiver muito cheio de mármore. Veja só do que estamos falando, observando essas fotos:

foto3

Mas como nós sabemos que o mármore não é uma pedra barata, temos opções para usá-lo sem precisar gastar tanto. No piso e nas paredes, a saída é usar porcelanato com estampa de mármore. Esse tipo de revestimento tem conseguido imitar bem pedras e madeiras. Mas uma forma ainda mais barata de usar o mármore na decoração é nos detalhes. Quadros, mesinhas laterais e até louças podem dar um charme no ambiente. Em mesas e móveis, você pode usar adesivo com estampa marmorizada para imitar a pedra. Vai dar uma cara nova à peça e pode até cobrir uma mancha ou arranhão numa mesa, por exemplo.



foto4

Mostra a sua decoração com mármore para a gente! Poste nas redes sociais usando a hashtag #rotaprincipal!

 

Leia mais DIY de maxi tricot para esperar o inverno chegar

 

Por Larissa Rodrigues: desenhista do @be.my.type, internacionalista e mestranda de Relações Internacionais da UEPB. Adora falar de política, espiritualidade e coisinhas que amenizam nossa experiência de vida: filmes, moda, viagens e comida!!!

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Sorveterias em João Pessoa para encarar o calor comendo!

Se você já veio a João Pessoa, certamente deve se lembrar como aqui é quente! A cidade faz calor o ano inteiro, até mesmo em dias de chuva. Uma boa saída para escapar das altas temperaturas é tomar um bom sorvete. Afinal, ninguém é de ferro!

Aqui na capital paraibana há diversas empresas que trabalham com sorvetes com uma pegada gourmet, mas há também aqueles clássicos que já se tornaram tradição. Listamos 5 sorveterias em João Pessoa para você provar e se apaixonar!

 

Amore di Latte

A Amore di Latte possui lojas em João Pessoa e Campina Grande e trabalha com gelatos italianos. Eles apostam ingredientes de alta qualidade para garantir o sabor e a textura dos sorvetes, que sem dúvida são deliciosos! Inclusive, muitos restaurantes da cidade usam os gelatos da marca em suas sobremesas!

 

Sorveteria Friberg

Uma das mais tradicionais sorveterias da cidade, a Friberg é aquela dica que não pode faltar para quem vem visitar João Pessoa. Tanto pela qualidade dos sorvetes, quanto por ser uma marca que realmente é consumida pelos pessoenses. A sorveteria tem aquela pegada tradicional e simples: você vê se vai querer uma ou duas bolas, no copinho ou na casquinha, paga e depois escolhe os sabores. Prático e com sabor de infância!



sorveterias-em-joão-pessoa

 G.Vitor’s Sorvetes

Também uma opção bem tradicional, a G. Vitor’s tem essa pegada simples, mas com produtos de excelente qualidade. O sorvete delicioso e eles contam com opções diet! Quem não consome açúcar pode ir sem medo e a nossa dica é provar o sabor castanha diet.

 

Flor di Latte

Com lojas nos shoppings Mangabeira e Mag, a Flor di Latte aposta em sorvetes gourmet, com ingredientes de alto padrão. É possível enfiar o pé na jaca com sabores como oreo, ou ficar com uma das opções de gelatos feitos 100% da fruta.  Há também sabores diet, sem lactose e sem glúten.

 

Freeze Sorvetes Finos

Localizada no Jardim Oceania, a Freeze Sorvetes Finos trabalha com sabores diferenciados de sorvetes. Dentre as opções também há sorvetes sem lactose, diet e light! Mas para quem quer aproveitar sem se preocupar com calorias, a dica é se jogar no rodízio com direito a três toppings, que custa R$19,90! (valores atualizados em 09 de abril de 2018)

 

Leia mais dicas gastronômicas da Paraíba clicando aqui!



Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

5 ótimos filmes sobre serial killers para ver nesta sexta-feira 13

Apesar de ser uma das mais terríveis facetas do ser humano, os serial killers (ou assassinos em série) despertam o interesse do cinema e da literatura. Muitos filmes, séries e livros abordam esse tema em diversos enredos, em busca de um maior entendimento da questão. Muitos dos personagens inclusive se tornaram ícones da cultura pop, como o Hannibal e o Fred Gruguer, reproduzidos em camisetas, pôsteres e bonecos Funko.

Listamos 5 ótimos filmes sobre serial killers que você precisa assistir!

 

O Silêncio dos Inocentes

o-silencio-dos-inocentes

A agente do FBI, Clarice Starling é ordenada a encontrar um assassino que arranca a pele de suas vítimas. Para entender como ele pensa, ela procura o periogoso psicopata, Hannibal Lecter, encarcerado sob a acusação de canibalismo.



Hannibal

hannibal

Sete anos se passaram desde que o Dr. Hannibal Lecter escapou da prisão. O múltiplo homicida agora trabalha na biblioteca de uma família nobre de Florença e transita livremente pela Europa. A agente do FBI Clarice Sterling, que entrevistou o Dr. Lecter antes que ele fugisse do hospital de segurança máxima para criminosos insanos, nunca esqueceu o assassino, cuja voz ainda atormenta seus sonhos. Mas também Mason Verger não se esqueceu de Hannibal. Vítima que conseguiu sobreviver ao ataque do psicopata e ficou terrivelmente desfigurado, Verger se torna um obcecado pela vingança e percebe que, para fazer com que o Dr. Lecter seja descoberto, terá que usar como isca a própria Clarice Sterling.

 

Psicose

psicose

Marion Crane é uma secretária que rouba 40 mil dólares da imobiliária onde trabalha para se casar e começar uma nova vida. Durante a fuga de carro, ela enfrenta uma forte tempestade, erra o caminho e chega em um velho hotel. O estabelecimento é administrado por um sujeito atencioso chamado Norman Bates, que nutre um forte respeito e temor por sua mãe. Marion decide passar a noite no local, sem saber o perigo que a cerca.



Perfume: a história de um assassino

perfume

Paris, 1738. Jean-Baptiste Grenouille nasceu em um mercado de peixe, onde sua mãe trabalhava como vendedora. Ela o tinha abandonado, mas o choro de Jean-Baptiste faz com que seja descoberto pelos presentes na feira. Isto também faz com que sua mãe seja presa e condenada à morte. Entregue aos cuidados da Madame Gaillard, que explora crianças órfãs, Jean-Baptiste cresce e logo descobre que possui um dom incomum: ele é capaz de diferenciar os mais diversos odores à sua volta. Intrigado, Jean-Baptiste logo demonstra vontade de conhecer todos os odores existentes, conseguindo diferenciá-los mesmo que estejam longe do local em que está. Já adulto, ele torna-se aprendiz na perfumaria de Giuseppe Baldini que passa por um período de pouca clientela. Logo Jean-Baptiste supera Baldini e, criando novos perfumes, revitaliza a perfumaria. Jean-Baptiste cada vez mais se interessa em manter o odor de forma permanente, o que faz com que busque meios que possibilitem que seu sonho se torne realidade. Só que, em suas experiências, ele passa a tentar capturar o odor dos próprios seres humanos.

 

Onde os fracos não têm vez

Onde-os-fracos-não-têm-vez

Texas, década de 80. Um traficante de drogas é encontrado no deserto por um caçador pouco esperto, Llewelyn Moss, que pega uma valise cheia de dinheiro mesmo sabendo que em breve alguém irá procurá-lo devido a isso. Logo Anton Chigurh, um assassino psicótico sem senso de humor e piedade, é enviado em seu encalço. Porém para alcançar Moss ele precisará passar pelo xerife local, Ed Tom Bell.

 

Leia mais sobre cinema clicando aqui!

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Clipe Indestrutível de Pabllo Vittar veio quebrar a internet

Na quarta (10) foi lançado o último dos seis clipes do álbum Vai Passar Mal da drag queen Pabllo Vittar. O CD chegou às lojas em janeiro do ano passado e foi o maior sucesso. “KO”, “Corpo Sensual”, “Todo Dia”, “Então Vai” e a música título “Vai Passar Mal” tocaram o ano todo. Mas a cantora deixou guardado o grand finale e conseguiu fechar a série de clipes com chave de ouro. Enquanto vimos uma artista sensual rebolando nas outras produções, o clipe Indestrutível de Pabllo Vittar tem uma pegada intimista e reflexiva.

Nada de rebolado dessa vez. A estratégia parece clara: fazer todo mundo dançar, cantar e ouvir as músicas de uma drag, para no final, quando todos os holofotes estiverem focados nela, jogar na cara da sociedade todo o seu desabafo. Indestrutível é um grito de vencedor cruzando a linha de chegada. Ao contrário do que diziam os seus agressores, Pabllo chegou ao topo da cena da música nacional. E ela não vai deixar barato! Não basta chegar lá e não falar de todos os que sofrem homofobia.



É por isso que o vídeo mostra cenas de um garoto sofrendo bullying na escola. Em preto e branco, o clipe intercala imagens do garoto e de Pabllo cantando. Com uma forte carga emotiva, o vídeo escancara os desafios de ser fora do padrão. E mesmo sem falas nos diz muito sobre auto aceitação e sobre respeito ao próximo.

O Indestrutível de Pabllo Vittar já chegou ao primeiro lugar dos vídeos em alta no Youtube. Já são 2 milhões de visualizações de antes ontem para cá. E por quê é importante a chegada de uma drag queen nesses espaços? Para que as crianças e adolescentes que sofrem com isso possam ver que há esperança e representatividade. No início do vídeo, a informação alarmante choca: 73% dos jovens LGBTQ+ sofrem bullying nas escolas. Eles precisam saber que a esperança não acaba ali!

 

Leia mais Filme Selma: Uma Luta Pela Igualdade retrata um Luther King humano

 

Por Larissa Rodrigues: desenhista do @be.my.type, internacionalista e mestranda de Relações Internacionais da UEPB. Adora falar de política, espiritualidade e coisinhas que amenizam nossa experiência de vida: filmes, moda, viagens e comida!!!



Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Filme Selma: Uma Luta Pela Igualdade retrata um Luther King humano

Baseado em um recorte muito específico da vida de Martin Luther King (a sua passagem pela cidade de Selma, no Alabama) este filme nos mostra o que há por trás do ativista. Lutando pelo direito ao voto para os negros daquele estado, o reverendo King, muito bem interpretado por David Oyelowo, revela-se como um homem pragmático e realista, mas também um ser humano como outro qualquer.

O filme nos mostra a tentativa de organizar uma marcha pacífica para denunciar a arbitrariedade que negava o voto à população negra de Selma. De um lado, a família de King parece se despedaçar diante da constante sensação de perigo em que vivem, com ameaças anônimas diárias. Do outro, o reverendo calcula que o governador do Alabama e o xerife de Selma vão abafar com violência os protestos, trazendo mais visibilidade e apoio aos ativistas negros. Assim, em uma corda bamba que parece ser letal para todos os lados, vemos um Martin Luther King além do mito, como um homem que sente medo, que se cansa e por vezes desanima.



selma2

Um dos maiores méritos do filme, em minha opinião, é desmistificar a ideia de que grandes figuras como ele estão sempre inspiradas, com famílias perfeitas e sem nunca vacilar. A visão do mito com fragilidades traz mais empatia ao personagem e nos faz torcer de corpo e alma pelos ativistas desarmados encarando cassetetes e armas de fogo.

No fim do dia, Selma: Uma Luta Pela Igualdade é um filme extremamente atual, mesmo tanto tempo tendo se passado desde os anos 1960. Especialmente se pensarmos que os Estados Unidos passaram recentemente por protestos contra as mortes de jovens negros e no Brasil tivemos uma ativista negra assassinada a sangue frio. Disponível na Netflix, o longa é uma ótima oportunidade de refletir sobre no que ainda podemos evoluir como seres humanos.

 

*por Érica Rodrigues, jornalista formada pela UFPB. Ama escrever sobre cinema, viagem e literatura, além de conversar sobre feminismo em seu canal de Youtube.

 

Leia mais sobre cinema clicando aqui!



Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Vida moderna: como ser nômade digital?

Já pensou em trabalhar de qualquer lugar do mundo? Dar o seu expediente direto de um café em Edimburgo ou de uma praia no Caribe? Pois é, isso não só é possível quanto já é a realidade de muita gente. Mas afinal, como ser nômade digital?

Primeiramente, nômade digital é a pessoa que trabalha de forma remota através da internet (seja como freelancer ou home office contratado de uma empresa) enquanto viaja pelo mundo.

Falando assim pode parecer impossível, mas acredite ou não, essa vida pode ser sua!

 

Qualquer pessoa pode ser nômade digital?

Em linhas gerais, sim. Praticamente todas as profissões podem ser exercidas remotamente. Até um médico pode trabalhar pela internet fazendo vídeos para o Youtube sobre saúde, escrevendo artigos, ensinando ou dando consultorias online. É só sair um pouco da caixinha e pensar em outras alternativas dentro da sua área de atuação. Obviamente é mais fácil para um jornalista ou um designer trabalhar remotamente, mas não significa que essa vida está restrita a profissões do ramo das comunicações e tecnologia.



nômade-digital

 

Mas onde eu vou morar?

Isso vai depender do seu estilo de vida viajando. Muita gente se hospeda em hostels ou aluga apartamentos no Airbnb. É claro que você pode escolher ficar em um hotel, mas vai sair um pouco mais caro. O ideal é definir o que você quer para a viagem. Quem não abre mão da privacidade e de cozinhar todos os dias, por exemplo, pode se dar melhor em um Airbnb. Aqueles que adoram conhecer pessoas novas vão curtir a agitação de um hostel. Vai de pessoa para pessoa.

 

Como eu vou trabalhar?

Um dos requisitos básicos para um nômade digital é estar em um lugar com internet. Como você vai trabalhar remotamente, é imprescindível ter uma boa conexão Wi-Fi. A partir disso, você pode optar por trabalhar do seu apartamento, do hostel ou de um café. Essa é a graça de ser nômade digital: você faz a sua rotina!

 

Se interessou pelo assunto? Há vários blogs que falam sobre isso, como o Pequenos Monstros, Nômades Digitais e o 360Meridianos.

 

Confere também esse vídeo do canal de Youtube Pequenos Monstros para entender melhor:



 

Leia mais – Dica de viagem: como viajar de trem na Europa?

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Tendências de inverno 2018: minimalismo e luxo?

Isso mesmo, o que vem por aí na moda é uma mistura de menos e mais! Menos nas formas, com silhuetas mais retas e simples, e mais nos tecidos e estampas. Um equilíbrio bem elegante, já que as texturas das peças serão protagonistas e as formas mais discretas. Veja tudo o que é tendências de inverno neste ano!

Nas modelagens, veremos peças estruturadas e cortes assimétricos. Muito democrático para todos as formas de corpo. Botas, claro, estarão presentes em todos os looks! Em diferentes tamanhos e modelos. Se você, como eu, sempre sonhou em usar uma bota over the knee, a hora é essa, porque vai bombar!



foto1-inverno

Vamos às cores! Vermelho e vinho estarão presentes, assim como o marinho, o verde militar e o preto. Nas estampas, o floral aparece para surpreender quem acha que inverno só pode ter tons terrosos. Xadrez e listras também ficam em alta. É bem verdade que as estampas da estação usarão cores mais sóbrias, mas nada impede que o vermelho vivo brilhe numa saia de vinil, por exemplo.

foto2-inverno

No campo das texturas, veremos o tweed em saias, casacos, vestidos, shorts. Esse é um tecido que confere uma cara nobre à peça, por isso, para deixar o look despojado, misture-o com camisetas T-shirt com estampa divertida e jaqueta de couro, por exemplo. Ou ainda, um casaco bem tradicional de tweed, com inspiração Chanel, pode ser combinado com calça jeans rasgada e bota tratorada. A ideia é brincar com os estilos e fazer as peças mostrarem quem você é.



foto3-inverno

A cada estação, a viagem aos anos 1990 e 1980 fica mais intensa. Já falamos aqui no blog e volto a avisar: em breve estaremos dentro do seriado Blossom! Uma prova disso é toda essa mistura de xadrez, listras, suéteres oversized, macacão jardineira que estamos vendo por aí. Para completar a viagem ao passado, o brilho volta com tudo. Mas não será só nos detalhes. Prepare-se para usar roupas de veludo, lurex, lamê e vinil!

foto4-inverno

 

Leia mais – DIY de bolsas lindas para usar, presentear ou vender!

 

Por Larissa Rodrigues: desenhista do @be.my.type, internacionalista e mestranda de Relações Internacionais da UEPB. Adora falar de política, espiritualidade e coisinhas que amenizam nossa experiência de vida: filmes, moda, viagens e comida!!!

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Dica de viagem: como viajar de trem na Europa?

O trem é um clássico europeu. Retratado diversas vezes no cinema (vide a recente adaptação de Assassinato no Expresso do Oriente), esse meio de transporte tem tudo a ver com o Velho Continente e é um dos principais meios de transporte por lá. Seja para curtas distâncias, entre cidades vizinhas, ou mesmo para cruzar fronteiras, o trem é confortável, democrático, tradicional e, na maioria dos casos, moderno.

Mas, para nós brasileiros, essa ainda não é uma forma comum de se locomover. Quando se começa a planejar a viagem, já surge aquela dúvida: afinal, como viajar de trem na Europa? Calma que a gente explica!

Antes de tudo é preciso entender que a dinâmica de uma viagem de trem é diferente de um ônibus ou avião. Neles, é comum que não haja ninguém para te auxiliar para encontrar o seu vagão, o acento e muito menos para guardar a bagagem.



trem-na-europa

Daí, já surge a nossa primeira dica: se você tentar viajar de trem na Europa com uma mala de mão e duas de 23kg, é praticamente certeza que vai passar muito perrengue. Tente levar o mínimo de bagagem possível, pois além de não ter ninguém para te ajudar a carregar e guardar os volumes, muitas vezes no vagão não há espaço suficiente para todas as malas. Assim, você vai ter que guardar uma parte em outro vagão e sofrer um bocado para reunir tudo novamente na hora de descer. Sem contar que muitas vezes é necessário colocar a mala em um bagageiro alto, e se ela pesar 23kg, você pode sofrer um pouco.

Na maioria dos trens não é necessário reservar acento, mas em muitos casos acaba saindo mais barato comprar antes, pois você pode pegar alguma promoção. Porém, se não quiser correr o risco de comprar e talvez não conseguir chegar a tempo na estação, na grande maioria dos casos é possível comprar na hora.

E nessa hora surge a questão: é melhor escolher a primeira classe ou a segunda? Bom, a maioria dos trens europeus são novos, então a segunda classe já é bem confortável. Muito mais do que a classe econômica do avião, por exemplo. Em trechos de até 4h de duração, escolher a primeira classe pode ser um luxo desnecessário, já que a segunda atende bem às necessidades de conforto. Em viagens noturnas ou mais longas, pode valer a pena pagar um pouco mais por uma ou outra regalia.

Comprada a passagem, chegou a hora de embarcar! Nesses casos, é comum que você precise encontrar o seu vagão e acento sozinho. No caso de embarcar em um trem na primeira cidade da linha é mais simples, pois ele fica parado por vários minutos na plataforma antes do horário de partida. Nesse caso é só conferir o número do vagão e o acento.

Porém, se você vai embarcar em uma cidade no meio do trajeto, geralmente o trem passa pouco tempo na plataforma (algo em torno de 5 a 10 minutos). Nesses casos, a dica é perguntar a um local em que altura da plataforma o seu vagão vai parar. Pois caso você vá embarcar no vagão 28, por exemplo, e ficar parado esperando onde vai parar o vagão 7, pode ser a maior correria para dar tempo na hora de embarcar.

Depois de seguir essas dicas básicas, é só sentar e curtir as belas paisagens europeias pela janela!

 

Leia mais – Quanto custa viajar para Portugal? Dicas para economizar com conforto



Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

DIY de maxi tricot para esperar o inverno chegar

Se você já visitou o Pinterest, certamente viu essas mantas de tricot super aconchegantes. São muito legais pra compor a decoração. Mesmo que você não saiba fazer tricot, os pontos mais básicos são muito simples. Mas se você já domina a técnica, é possível se aventurar em modelos mais complexos. Opções de uso não faltam: como manta no sofá, colcha de cama, tapete, ou até colchonete para ler no chão. Por isso, selecionamos alguns vídeos bem didáticos de DIY de maxi tricot para você fazer o seu e esperar o inverno bem agasalhado(a).

O material ideal para fazer o maxi tricot é a lã merino. Essa lá é bem fofinha e tem de várias cores. Um pacote de 10kg custa em média R$1200. A designer Anne Galante ensinou como fazer uma manta num tamanho de solteiro. Para isso, ela usou mais ou menos 4kg de lã. Olha só:



Sabemos que esse preço não é nada acessível. Por isso, temos outro DIY de maxi tricot com um material mais barato. O tecido soft é bem suave e maleável e pode ser transformado em fio para tricot. A Alice, do Love It By Alice, ensinou como fazer uma manta com esse material.

A Alice fez também uma pezeira para a cama, mas dessa vez com a lã merino. Pezeira é uma manta colocada no final da cama, onde ficam os nossos pés para mantê-los quentinhos! O resultado ficou muito lindo:

Veja como usar o maxi tricot em algumas fotos de inspiração:

 

Manta

manta



Colcha

colcha

 

Caminha para pets

cama-para-gatos

 

Tapete ou colchonete

tapete

É muito gostoso criar um clima aconchegante em casa. Nós já falamos aqui no blog sobre a importância de ter momentos de tranquilidade consigo mesmo e com as pessoas mais próximas. O estilo de vida Hygge dos dinamarqueses prega exatamente isso. Veja o nosso post sobre o Hygge e mergulhe nessa vibe mais tranquila com o seu maxi tricot!

 

Por Larissa Rodrigues: desenhista do @be.my.type, internacionalista e mestranda de Relações Internacionais da UEPB. Adora falar de política, espiritualidade e coisinhas que amenizam nossa experiência de vida: filmes, moda, viagens e comida!!!

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3