Flotilha em Alta-Terra apresenta folk e rock no Pôr do Sol do Hotel Globo

A banda Flotilha em Alta-Terra participa nesta sexta-feira (19) de mais uma edição do Pôr do Sol do Hotel Globo, com canções de conteúdo poético e melodias que transitam do folk ao rock. O evento, que começa às 16h30, é promovido pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da sua Fundação Cultural (Funjope), na programação do AnimaCentro.

Com três anos de estrada, a banda independente de João Pessoa é formada pelos vocalistas Tino e Dam Barbosa, o baixista Rhafael Cainã, o guitarrista Gabriel Reisenden e a baterista Arlinda Aquino. O grupo lançou neste ano seu primeiro single “Braçamar”, disponível em todas as plataformas digitais. Além disso, estão em processo de pré-produção do seu primeiro disco.



flotilha-2

O AnimaCentro oferece programação gratuita, aberta ao público de todas as idades, com espetáculos de dança, teatro, música e exposições em vários pontos do Centro Histórico. O objetivo do projeto é valorizar os espaços históricos revitalizados pela atual gestão.

Gabriela Neves / Secom-JP

 

Leia mais – Ney Matogrosso traz “Bloco na Rua” para João Pessoa
 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Planetário terá sessões especiais pelos 50 anos da chegada do homem à lua

No próximo dia 20 de julho completam-se 50 anos da chegada do homem à lua. Em comemoração à data, as sessões do Planetário, localizado na Estação das Artes, nesta quinta-feira (18), acontecerão em mais horários. Além disso, o projeto ‘Estacine’ terá uma edição especial com exibição de um filme sobre o tema.

Nesta quinta-feira (18), o Planetário será aberto ao público e as sessões acontecerão em três horários pela manhã e três no turno da tarde: às 9h30, 10h30 e 11h30; e às 14h, 15h e 16h. Neste dia as sessões irão ocorrer, especialmente, no salão expositivo da Estação das Artes – anexo da Estação Cabo Branco. As sessões do Planetário ocorrem, normalmente, às 10h30 e 11h30 (pela manhã), e às 15h e 16h (pela tarde). Nas terças e quintas, o evento é restrito para escolas previamente agendadas. Nas quartas, sextas, fins de semana e feriados, o evento é aberto ao público.

Os visitantes também poderão participar de um bate-papo, no horário das 10h, com o professor Marcos Jerônimo, que é formado em Geografia pela UFPB e astrônomo amador há 50 anos, dedicando sua vida à pesquisa, estudo e observação dos astros e planetas.



O interesse de Marcos pela astronomia começou justamente na época em que o homem chegou à lua pela primeira vez, quando ele tinha 14 anos – o fato gerou muito burburinho na época, e despertou na população a curiosidade sobre o tema. Marcos coordena, desde 2010, o setor de Astronomia da Estação Cabo Branco. Ele já participou de vários trabalhos científicos como os eclipses do sol e da lua, fenômenos relativos aos satélites de Júpiter, cometas, estrelas variáveis, ocultações de estrelas ou planetas pela lua, ocultações de planetas por estrelas ou asteroides, índice de nebulosidade da cidade de João Pessoa, entre outros.

Na ocasião, também haverá uma edição especial do Estacine – que normalmente acontece aos sábados. Um filme sobre a primeira vez em que o homem pisou na lua será exibido para o público visitante, a partir das 15h, no Mini auditório III da Estação das Artes.

“Esta é uma excelente oportunidade para quem se interessa pelo universo da astronomia, e para quem também deseja saber mais sobre a primeira vez em que o homem pisou na lua. O visitante, além de conhecer o planetário, vai poder assistir a um filme sobre o assunto e ouvir de alguém que estuda e pesquisa, há 50 anos, os assuntos relacionados aos astros e planetas” – pontua Jonathan Vieira, diretor-geral da Estação Cabo Branco.

Todas as atividades do Planetário, o Estacine e o bate-papo sobre astronomia  são totalmente gratuitas e abertas ao público de todas as idades.

Marília Mesquita / Secom-JP

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Funesc recebe exposição de xilogravura sobre o imaginário do nordestino

A Fundação Espaço Cultural da Paraíba, em João Pessoa, recebe, a partir do dia 26 deste mês, a exposição Bestiário Nordestino – Um olhar sobre a gravura fantástica, dentro da programação do Festival de Artes Jackson do Pandeiro. A mostra poderá ser vista a partir das 17h, na galeria de arte Archidy Picado, reunindo um acervo de dezenas de obras de xilogravura de 18 artistas. Os trabalhos retratam, por meio da tradicional arte, o imaginário do homem nordestino. Exposição, que tem curadoria dos artistas Rafael Limaverde e Marquinhos Abu, pode ser vista até o dia 15 de setembro.

“Demônios, dragões, híbridos e amorfos são as estrelas das obras, que detalham o sobrenatural que permeia o imaginário do homem nordestino, traçando a história deste povo que desde muito tempo vem sendo contada e cantada na literatura de cordel, no entalhe da madeira e na criatividade que estipula um limite entre o homem e o animal, a realidade e a fantasia, a lucidez e o delírio. Dentro do universo da gravura nos atentamos a um tema muito particular que não é sempre abordado pelos artistas: esses seres fantásticos, assombrações e monstros, esse mundo estranho e particular”, destaca Rafael Limaverde.

Essa necessidade do irreal, ainda conforme Limaverde, foi o contraponto na busca de obras de arte que não se enquadrassem no conceito padrão de beleza e do gosto popular. E complementou: “O que veremos na exposição Bestiário Nordestino é um recorte desse tema fortemente presente no imaginário nordestino, mas ainda pouco explorado pelos artistas gravadores. Também traremos uma coletânea de cordéis que abordam esse tema”.

 

A exposição

O acervo da exposição é fruto, em sua maioria, do projeto Oco do Mundo. Durante 14 dias, Rafael e Marquinhos caíram na estrada em uma pesquisa sobre a gravura e um tanto de encantamento no encontro com esses artistas nordestinos. Essa saga foi vivida e desenhada entre os dias 30 de agosto e 12 de setembro de 2016, percorrendo quatro estados, dez cidades visitadas, 2.300 quilômetros. Os curadores do tiveram encontros com os artistas Adriano Brito, Guto Bitu, Carlos Henrique (Crato/CE), Nilo, Abraão Batista, Stênio Diniz (Juazeiro/CE), J.Borges (Caruaru/PE), Maurício Castro e Lourenço Gouveia (Recife/PE), José Costa Leite (Condado/PB). E o resultado desse imaginário fantástico pode ser conferido em cada obra exposta.

Entre os destaques, estão José Costa Leite, J. Borges e Abraão Batista, referências nacionais e já com uma longa história na xilogravura, e que ainda continuam produzindo. O diferencial também vai para as xilogravuras do acervo do MAUC (Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará), considerado a maior coleção de matrizes do país e que pela primeira vez obras de Damásio Paulo (Juazeiro do Norte/CE), Walderêdo Gonçalves (Juazeiro do Norte /CE), Antônio Lino (Juazeiro do Norte/CE) e Justino P. Bandeira (Juazeiro do Norte/CE) são expostas fora do museu. Serão expostos também cordéis que possuem a mesma temática da mostra.

Além da exposição em si, também será lançado na ocasião o livro-catálogo Bestiário Nordestino. De distribuição gratuita, além das obras, a publicação ainda traz trechos de cordéis clássicos, textos de artistas e estudiosos sobre o tema, como Ariano Suassuna, Muniz Sodré, Gilmar de Carvalho, Cláudia Leitão, Sebastião de Paula e Cássia Alves, além de um cordel escrito exclusivamente para o livro, de Rouxinol do Rinaré.



xilogravura-3

Artistas

Abraão Batista (Juazeiro do Norte/CE), Adriano Brito (Crato/CE), Antônio Lino (Crato/CE), Bitu (Crato/CE), Carlos Henrique (Crato/CE), Carlus Campos (Fortaleza/CE), Damásio de Paulo (Juazeiro/CE), Josafá de Orós (Campina Grande/PB), J. Borges (Bezerros/PE), José Carlos Leite (Condado/PB), Lourenço Gouveia (Recife/PE), Maurício Costa (Recife/PE) Nilo (Juazeiro/CE), Rafael Limaverde (Fortaleza/CE), Stênio Diniz (Juazeiro/CE), Sebastião de Paula (Fortaleza/CE), Walderêdo Gonçalves (Crato/CE), Justino P. Bandeira (Juazeiro do Norte/CE) .

 

Curadoria

Rafael Limaverde é xilogravurista, grafiteiro, designer e ilustrador. Teve sua primeira exposição de pinturas e infogravuras intitulada “Caos” – Fortaleza/CE (2000). A segunda sob o título “Xilofagia”, com 14 xilogravuras homenageando personalidades e manifestações importantes da cultura nordestina – Fortaleza (2002). Ex-integrante do grupo Acidum, expôs na Funarte (São Paulo/SP e Rio de Janeiro/RJ), Salão de Abril (Fortaleza/ CE) e Mostra Sesc Cariri (Crato/CE). Foi curador da exposição Eco Barroco no CCBNB (Centro Cultural Banco do Nordeste) – Fortaleza (2011) e da exposição Bestiário Nordestino, na Multigaleria – Centro de Arte e Cultura Dragão do Mar – Fortaleza (2017). Como grafiteiro, realizou trabalhos em quatro edições do Festival Concreto – Fortaleza (2013, 2015, 2016, 2017) e Festival Bahia de Todas as Cores – Candeias/BA (2017). Pesquisa, atualmente, desenhos, pinturas, gravuras e assemblages, tendo como referência a cosmovisão religiosa, tanto litúrgica (sacralizada pela igreja) como a paralitúrgica (sacralizada pela religiosidade popular).

Marquinhos Abu é Grafiteiro, arte educador, produtor e membro do Coletivo Aparecidos Políticos, participou da curadoria do Ateliê Aparecidos Políticos no Sobrado José Lourenço, em Fortaleza/CE. No município de Crato/CE, Abu desenvolveu o projeto Retratos de Memória do Gesso, com o registro e pintura em stêncil de moradores históricos da comunidade. Participou, também, da produção do projeto Oco do Mundo, gravado no sertão nordestino, e do documentário ‘Desbravadores – Street View Trekker.

Compõe, ainda, a equipe de produção do Concreto Festival Internacional de Arte Urbana, além de seguir participando de festivais de grafite pelo Brasil. Recentemente, fez parte da Caravana Concreto no México, participando do Festival Ciudad Mural. Marquinhos Abu é um dos curadores da exposição Bestiário Nordestino – Um olhar sobre a gravura fantástica, que esteve em cartaz em 2017 no Dragão do Mar e que, agora, segue em circulação pelo Brasil.



xilogravura

 

O Festival

A programação cultural do Festival de Artes Jackson do Pandeiro abrangerá shows, cortejos, apresentações, performances, intervenções, espetáculos, palestras, exposições, mostras, oficinas, encontros e outras atividades de formação artístico-culturais. Serão quatro dias de atividades intensas concentradas no Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa. O evento contará, ainda, com shows de Lenine e Margareth Menezes.

O Espaço Cultural se dividirá em polos e cada um deles será nomeado com títulos ou trechos de canções de Jackson do Pandeiro. A Praça do Povo se chamará ‘Sebastiana’. Já a Sala de Concertos Maestro José Siqueira será o ‘Canto da Ema’ durante os quatro dias de evento. O Teatro Paulo Pontes será ‘Cabeça Feita’ enquanto o Teatro de Arena será ‘Chiclete com Banana’. O Cinê Bangüê passará a ser ‘Jack Perrin’. Até o Estacionamento entrará no ritmo com o nome ‘A Ordem é Samba’. A Feira Criativa que acontecerá ao longo do festival será ‘A Feira’ enquanto que o Planetário ganhará o sugestivo nome ‘Sputnik, a Galeria Archidy Picado será o ‘Quadro Negro’ e o Mezanino 2 ‘Luz do Saber’. A Escola de Dança é o ‘Baile da Gabriela’. ‘Sina de Cigarra’ é o nome do polo na Sala de Coro. Já o auditório da EEMAN será o polo ‘Acorda, meu povo’.

 

Jackson do Pandeiro – Nome artístico de José Gomes Filho, nascido em Alagoa Grande, em 31 de agosto de 1919, e que passou boa parte da vida em Campina Grande. Começou a admirar a música por meio da sua mãe, a cantadora de coco Flora Maia, que colocou o filho para tocar zabumba aos sete anos. Seu primeiro sucesso, “Sebastiana”, na década de 1950, o lançou para o Brasil e para o mundo. Jackson chegou a fazer duetos e parcerias com nomes como Luiz Gonzaga, Edgar Ferreira e Rosil Cavalcanti e ganhou o título de “Rei do Ritmo”. Ele morreu vítima de embolia pulmonar e cerebral em 10 de julho de 1982, aos 62 anos, em Brasília (DF).

Fonte: Secom-PB

 

Leia mais – Ney Matogrosso traz “Bloco na Rua” para João Pessoa
 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Circo do Patati Patatá chega a João Pessoa neste sábado (20)

A dupla de palhaços mais amada da América Latina trará seu circo pela primeira vez a João Pessoa a partir do dia 20 de julho. O projeto teve grande sucesso em temporadas anteriores, nas quais mais de 900 mil pessoas puderam assistir ao novo espetáculo “Parque Patati Patatá Circo Show”.

O circo é um espaço lúdico onde as crianças terão a oportunidade de interagir com os personagens da série Parque Patati Patatá, sucesso nos canais Discovery Kids e SBT.

O show traz um universo cheio de encanto e magia onde as crianças terão a oportunidade de se aproximar dos seus melhores amigos e vivenciar momentos mágicos com os personagens até então vistos só pela TV: Nutrícia, Quasi, Floffy, Alegra, Amarga e Azedo; além é claro, de Patati Patatá. Será um espaço que abrigará números circenses misturados com os já conhecidos sucessos da dupla de palhaços.

O espaço também contará com uma lojinha onde a família inteira terá a oportunidade de encontrar uma linha de produtos exclusivos dos personagens do parque. O projeto é de Rinaldi Produções (detentora da marca Patati Patatá).

Ícaro Diniz / Assessoria de Imprensa

Fotos: Divulgação



patati.patata2

 

Parque Patati Patatá Circo Show

Endereço: Estacionamento do Carrefour.  Rua Bacharel Irenaldo de Albuquerque Chaves, s/n Bessa – Aeroclube, João Pessoa – PB

Dias e Horários: sábado e domingo às 15h, 17h30 e 20h

Valores:

Cadeira Lateral: R$ 40,00 (inteira) / R$ 20,00(meia)

Cadeira Central: R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00(meia)

Cadeira VIP Lateral: R$ 60,00 (inteira) / R$ 30,00(meia)

Cadeira VIP Central: R$ 70,00 (inteira) / R$ 35,00 (meia)

Camarotes: R$ 120,00 (inteira) / R$ 60,00(meia)

Classificação Etária: livre

Ingressos para compra online clicando AQUI!

 

Leia mais – Ney Matogrosso traz “Bloco na Rua” para João Pessoa
 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Festa das Neves que terá Fagner e Padre Nilson como atrações principais

A programação da Festa das Neves terá o cantor Fagner como grande atração, além da apresentação do padre Nilson Nunes e de outros artistas. A festa que marca também o aniversário da cidade será aberta no dia 27 de julho, quando os parques e barracas começam a funcionar. Os shows e apresentações dos grupos de cultura popular serão realizados nos dias 4 e 5 de agosto no Ponto de Cem Réis.

No domingo (4), primeiro dia de show no Ponto de Cem Réis, a programação começa às 17h com apresentação de teatro infantil a Turma do Chaves, que vai alegrar a meninada. Depois será a vez da cultura popular com o Boi de Reis Estrela do Norte. Em seguida, a partir das 20h o palco será do padre Nilson Nunes e banda com um show voltado para a família e repleto de músicas de louvor.

Na segunda-feira, (5), dia do aniversário de João Pessoa, a programação começa às 18h, com a apresentação da Lapinha Jesus de Nazaré, seguida da banda Tentáculos, que se apresenta a partir das 20h e anima o público para receber o cantor e compositor Fagner, um dos artistas consagrados da Música Popular Brasileira, que vai interpretar os grandes sucessos de sua carreira de mais de 50 anos.

Juneldo Moraes / Secom-JP



festa-das-neves-1

 

Programação

Domingo (04/08)

17h – Teatro infantil – A Turma do Chaves

18h30 – Boi de Reis Estrela do Norte

20h00 – Padre Nilson Nunes

 

Segunda-feira (05/08)

18h – Lapinha Jesus de Nazaré

20h – Banda Tentáculos

22h – Fagner

 

Leia mais – Filme sobre Jackson do Pandeiro terá sessões e debate no Cine Banguê

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Ney Matogrosso traz “Bloco na Rua” para João Pessoa

Chegou a vez de João Pessoa receber a turnê “Bloco na Rua”, novo show de Ney Matogrosso, sucesso absoluto de crítica e de público. O espetáculo acontece no dia 03 de setembro, no Teatro Pedra do Reino, a partir das 21 horas.



Aos 77 anos, Ney Matogrosso não para. O novo projeto começou nos palcos para só depois ganhar outros formatos. O repertório foi selecionado enquanto o cantor excursionava com o show anterior e o seu critério não foi o ineditismo.

Ney-Matogrosso-3
“Não é um show de sucessos meus, mas quis abrir mais para o meu repertório. Dessa vez, eu misturei coisas que já gravei com repertório de outras pessoas”, pontua Ney.

A banda afiada é a mesma que o acompanhou nos últimos cinco anos, reunindo Sacha Amback (direção musical e teclado), Marcos Suzano e Felipe Roseno (percussão), Dunga (baixo), Mauricio Negão (guitarra), Aquiles Moraes (trompete) e Everson Moraes (trombone).



Os ingressos já estão à venda na loja Mioche do Manaíra Shopping e no site Bilheteria Virtual e custam R$ 120,00 (meia) e R$ 240,00 (inteira), para a plateia A; R$ 90,00 (meia) e R$ 180,00 (inteira) para a plateia B; e R$ 70 (meia) e R$ 140 (inteira) para o balcão.

Fonte: Assessoria de imprensa / Fotos: Divulgação

Leia também:  Expocrato reúne ícones da música brasileira em nove dias de festa

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Dos 10 parques aquáticos mais visitados na América Latina, seis são brasileiros

O Brasil tem se firmado, cada vez mais, como um dos principais destinos latino-americanos de parques aquáticos. É o que diz o relatório Theme Index 2018, elaborado pela TEA/AECOM (Associação das Empresas de Entretenimento, na tradução livre), que apontou que seis parques brasileiros estão entre os dez mais visitados na América Latina. O destaque foi para o Thermas dos Laranjais, localizado em Olímpia (SP), que lidera o ranking no Brasil e na América Latina, além de ser o quarto mais visitado em todo o mundo.

sao-paulo
Thermas dos Laranjais, em Olímpia (SP) Foto: Divulgação

Além do Thermas dos Laranjais, em Olímpia (SP), os parques Hot Park, em Caldas Novas (GO); Beach Park, em Fortaleza (CE); Wet’n Wild, em São Paulo (SP); Thermas Water Park, em São Pedro (SP) e Hot Beach, também em Olímpia (SP) estão entre os 10 mais visitados da América Latina. Juntos, eles receberam, em 2018, cerca de 5,8 milhões de pessoas, de acordo com o mesmo levantamento. O índice é 3,5% maior do que o registrado em 2017, quando 5,6 milhões de pessoas passaram pelos locais.



O presidente do Sindicato Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat), Murilo Pascoal, comemorou o crescimento da movimentação de turistas nos parques no Brasil. “O ranking confirma a força do setor de parques no nosso país e sua importância para o turismo na América Latina”, ressaltou.

Dados do Sindepat estimam que o setor de parques, como um todo, tenha movimentado em 2018 mais de 30 milhões de visitantes no país, o que resultou em um faturamento de R$ 3 bilhões e empregou mais de 100 mil pessoas direta e indiretamente.



TURISTAS RECONHECEM QUALIDADE DE PARQUES BRASILEIROS – Não são só os levantamentos estrangeiros que apontam que o Brasil possui alguns dos melhores parques aquáticos do mundo. Os turistas nacionais também são só elogios a estes espaços de entretenimento que fornecem ampla infraestrutura de lazer e diversão.

A bancária brasiliense Fernanda Satomi Ito foi com toda a família ao Hot Park, em Caldas Novas (GO), lugar que encantou seus dois filhos, que visitavam o parque pela primeira vez. “Meus pequenos adoraram e sempre pedem para voltar. Inclusive, um preferiu ir ao parque, no aniversário deste ano, ao invés de receber presentes”, conta Fernanda.

personagem-parques2
A economista paulistana Emily Christine levou as amigas para o parque Thermas dos Laranjais, em Olímpia (SP), e se surpreendeu com a qualidade da infraestrutura. Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação MTur

 

Outra turista empolgada com os parques aquáticos brasileiros é a economista paulistana Emily Christine. Ela foi com amigos ao parque Thermas dos Laranjais, em Olímpia (SP), e conta que se surpreendeu com o local. “Minhas amigas falaram para eu ir nesse parque, mas tinha ficado com certo receio, por ser no interior de São Paulo. Me surpreendi positivamente, a infraestrutura do parque é muito boa, além de ser acessível. Eu recomendo a todos”, destaca.

Por Victor Maciel Mtur / Foto destaque: clubemoms.com.br

Leia também: Baía do Sancho é eleita pela quarta vez a melhor praia do mundo

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

Casa da Pólvora recebe bandas Zé Viola e Letal neste domingo

O Centro Cultural Casa da Pólvora recebe, neste domingo (14), as bandas Letal e Zé Viola Progressive Band, que se apresentam a partir das 16h30, em mais uma edição do Pólvora Cultural, realizado pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) por meio de sua Fundação Cultural (Funjope). O show é gratuito e faz parte da programação do AnimaCentro.

Quem primeiro sobe ao palco do Pólvora Cultural é a Letal, banda da cidade de Sapé, formada por Erivan Letal (guitarra), Nino Breu (vocal), Arthur (baixo) e Alltamiro (bateria). Fundado no ano de 2000, o grupo vai mostrar seu crossover com base na velha escola do hardcore e influências de thrash e death.


letal

Com quase duas décadas de trajetória musical, a Letal integra um circuito constante de shows pela regiãoNordeste e já dividiu o palco com nomes como Torture Squad, Mukekadi Rato e RottenFlies. Após um curto período sem se apresentar e com mudanças na formação, a banda retorna aos palcos com força total.

A segunda atração é Zé Viola e Progressive Band, formada por André Nóbrega (guitarra e voz), Neném Mofado (bateria) e Marcos Lopez (baixo) e vai cantar músicas dos dois discos, no qual misturam a linguagem regional ao rock progressivo absorvido pelo Acid Jazz, ambos com influências da década de 1970 aliados a linguagem atual.

A Zé Viola – homenagem aos artistas Zé Guilherme e Chico– surgiu em 2007 por iniciativa do músico André Nóbrega. A banda já se apresentou na Capital e em outras cidades da Paraíba. Também fez shows em outros estados do Nordeste e abriu as apresentações de artistas conhecidos como Frejat, Elomar e Blues Etílicos.

O projeto – O Pólvora Cultural faz parte do AnimaCentro, programa que tem como objetivo ocupar os espaços históricos revitalizados pela atual gestão com uma programação cultural diversificada no Parque da Lagoa, Praça da Independência, Praça Rio Branco, Pavilhão do Chá, Galeria Casarão 34, Hotel Globo, Villa Sanhauá, Praça Antenor Navarro e Centro Cultural Casa da Pólvora.

 Juneldo Moraes/ Secom-JP

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Expocrato reúne ícones da música brasileira em nove dias de festa

Acione seu modo festivo porque a maratona de shows do Festival Expocrato 2019 já começa neste sábado, 13 de julho, no Parque de Exposições Pedro Felício Cavalcanti. Serão mais de 100 horas de shows em 9 noites de apresentações com as melhores atrações musicais do Brasil.



Abrindo em grande estilo, se apresentam pela primeira vez no Cariri cearense duas das maiores estrelas do samba e pagode na atualidade: Dilsinho, carioca de sucesso nacional incontestável, e Ferrugem, nomeado ao Grammy Latino.  Ainda sobem ao palco na mesma noite o grupo Parangolé, Ousadia, Raphael Belo Xote e Daniel Lobão.

Banda-Magníficos
Foto: Divulgação

No domingo, 14, as bandas Magnificos e Calcinha Preta, embalam a noite com canções que atravessaram gerações. O swing do Imperador Iohannes e o repertório novo de Wallas Arrais prometem agitar tudo. Na mesma noite ainda se apresentam Thales Lessa, Gideon do Forró e Luiz Fidelis.

Maneva, Planta & Raiz e Adão Negro, grandes nomes do reggae nacional aterrissam no Festival Expocrato na segunda-feira, 15, que também conta com Namoro Novo, Missão Miranda e Raphael Alencar.



Terça, 16, é dominada pelo Pop Rock nacional com Nando Reis, Biquini Cavadão e Selvagens à Procura de Lei. Tocam ainda a descontraída banda Alfazemas e os cantores Fábio Carneirinho e Renno.

marilia-mendonca-foto-youtube
Foto: Divulgação

Todo mundo vai sofrer na quarta, 17, com Marília Mendonça, Zé Neto & Cristiano, Dorgival Dantas e Toca do Vale. Para esquentar, Wawá Pinho e Érika Diniz abrem a noite.

Caldeirão de ritmos é destaque na quinta, 18, com Léo Santana, Bruno & Marrone e Zé Cantor. Tocam ainda Ciço Bodim, Bulé de Caminhão e Apimentados do Forró.



A sexta, 19, traz o consagrado cantor, Raimundo Fagner, a grande dupla Simone & Simaria, o forró de Saia Rodada e o batidão de Aldair Playboy. A noite tem abertura dos artistas regionais Maninho e banda, Luan Rocha e Antonio Marcos.

No sábado, 20, Gusttavo Lima grava novo DVD no Festival Expocrato e Xand Avião e Jonas Esticado prometem alto astral com sucessos do forró. Ana Nery, Ruan Rodrigues e Forró Alencar também se apresentam.

Encerrando com chave de ouro, a rainha do pop brasileiro Anitta canta pela primeira vez na Expocrato, na mesma noite do retorno de Wesley Safadão e Jorge & Mateus. Revelações em seus ninhos, JM Puxado, Wawa Pinho e Chumbo Sim Sinhô agitam.



MEGA ESTRUTURA

Com novo design, maior e melhor, o mega palco que vai receber as estrelas do evento foi projetado exclusivamente para o festival com o que existe de mais moderno no mercado.

DIVERSIDADE E EXPERIÊNCIAS

Ao todo, mais 50 atrações entre ícones do sertanejo, forró, samba, pop rock e reggae. Além da programação artística, o Festival Expocrato 2019 terá diversas atividades e experiências, a exemplo da Roda Gigante, a tirolesa com 70 metros em queda livre.

Fonte: Assessoria de Imprensa / Fotos destaque: Rota Principal

Leia também: Baía do Sancho é eleita pela quarta vez a melhor praia do mundo

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Estação das Artes terá exibições gratuitas de filmes de Charles Chaplin

O projeto Estacine retoma as atividades neste mês, levando o cinema de forma gratuita à população. Na programação de julho, estão filmes da era do cinema mudo, protagonizados por Charles Chaplin, notável pelo uso de mímica e da chamada “comédia pastelão”.

A exibição ocorrerá aos sábados, começando neste dia 13, no Miniauditório III da Estação das Artes – anexo da Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes, a partir das 15h. O Estacine exibe filmes fora do circuito comercial. Neste mês, os longa-metragens são: Luzes da Cidade, Em Busca do Ouro e O Garoto.

No último sábado de exibição (27), o projeto Estacine receberá o crítico de cinema Sandro Alves de França. Ele é graduado em Letras pela UEPB e em Jornalismo pela UFPB, além de crítico de cinema e pesquisador na área de cultura e linguagem audiovisual.

Marília Mesquita/Secom-JP



Confira abaixo a programação:

 

13/07 – Luzes da Cidade

20/07 – Em Busca do Ouro

27/07 – O Garoto

 

 

Estacine – Filme Luzes da Cidade

Data: 13/07 (Sábado)

Horário: gratuito

Local: Miniauditório III da Estação das Artes

Exibição gratuita e para todos os públicos

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3