A dona dos dois cuscuz

Gil Campos*

 

Nem todo Severino é “Biu”, como garante o dito popular. Prova maior disso é Severino Andrade da Silva, conhecido no mundo da poesia popular e do cordel como “Zé da Luz”, nascido em março de 1904, em Itabaiana, interior paraibano. Na época, a cidade era o epicentro da Paraíba com sua movimentada estrada de ferro. E foi ali que Zé da Luz, na infância, teve contato com a literatura trazida pelos viajantes.

Conheci a obra de Zé da Luz no início da adolescência, em Campina Grande (onde também morou nosso poeta popular); precisamente no cabaré da feira central, onde havia uma quenga conhecida por Zefa Cega, que não tinha a mão e nem o braço, somente o antebraço. Naquela época, os adolescentes iam para o forró no cabaré, aos sábados, dançar só com Zefa. Isso porque, como só tinha o antebraço, a solução era segurar o seu seio direito para curtir o “rala-bucho”, e imaginar mil besteiras.

Ouvia os violeiros recitando os poemas de Zé da Luz. Ficava vislumbrado com a profundidade da poesia popular deste conterrâneo. Ele escrevia do jeito que o povo falava, com seu mais verdadeiro dialeto, que considero ser a maior identidade cultural de um povo.

E havia um poema, em especial, que mais deixava meus ouvidos atentos. Chamava-se “As Flô de Puxinanã”. Na verdade, tratava-se – descobri isso muito tempo depois – de uma paródia de “As Flô de Gerematáia”, de Napoleão Menezes

Puxinanã, para quem não sabe, é uma cidade onde meu avô Beltrando tinha um sítio onde eu costumava passar os finais de semana com a família, correndo entre as roças de feijão e subindo nos cajueiros sempre acompanhado do meu primo José Lavaneri, o “Nerinho”.

O poema fala de três irmãs que moravam na cidade. E que diz o seguinte: “Três muié ou três irmã, três cachôrra da mulesta, eu vi num dia de festa, no lugar Puxinanã/A mais véia, a mais ribusta era mermo uma tentação! Mimosa flô do sertão que o povo chamava Ogusta/A segunda, a Guiléimina, tinha uns ói qui ô mardição! Matava quarqué cristão os oiá déssa minina/Os ói dela paricia duas istrêla tremendo, se apagando e se acendendo em noite de ventania/A tercêra, era Maroca, com um cóipo muito má feito. Mas porém, tinha nos peito dois cuscús de mandioca/Dois cuscús, qui, prú capricho, quando ela passou pru eu, minhas venta se acendeu cum o chêro vindo dos bicho/Eu inté, me atrapaiava, sem sabê das três irmã

qui ei vi im Puxinanã, qual era a qui mi agradava/Inscuiendo a minha cruz prá sair desse imbaraço, desejei, morrê nos braços, da dona dos dois cuscús!”.

E, assim, durante parte da minha meninice, até mesmo na adolescência, quando eu ia a Puxinanã, tinha esperança de sentir aquele perfume da dona dos dois cuscuz, e que eu nunca encontrei. Aliás, Zé da Luz morreu em fevereiro de 1965, no Rio de Janeiro, levado pela tuberculose, mas deixou para a cultura popular um rico acervo de poesia tão cantada e admirada pelo povo nordestino.

*Gil Campos é de Campina Grande-PB e trabalha como diretor de redação na empresa Jornal Estação, em Guarulhos-SP.

%d blogueiros gostam disto: