3 Documentários da Netflix para entender o feminismo

Documentários da Netflix

Hoje é o Dia Internacional da Mulher e resolvemos alavancar a relevância feminina nesta matéria dando três dicas de documentários na Netflix para entender o feminismo. Conteúdos bem acessíveis, que dá para assistir em uma noite e que contém informações valiosas sobre esta ideologia que ainda hoje acaba tendo sua real proposta distorcida. Estes documentários explicam como nasceu o movimento feminista e quais são os fundamentos por trás dele. Com relatos de mulheres que foram à luta por igualdade de direitos sociais e que foram grandes responsáveis pela liberdade feminina na cultura ocidental. Os filmes trazem através de imagens, fotos e depoimentos situações que as mulheres passaram na década de 60, assim como também nos dias de hoje. Para as pessoas que sempre estiveram interessadas pelo assunto esta é a melhor maneira de começar entender, e também para aprofundar mais sobre a ideologia que tenta somente tornar o mundo mais igualitário para as mulheres de todas as camadas sociais.

 

Absorvendo o Tabu    

absovendo-o-tabu
Foto: Divulgação

Absorvendo o Tabu ganhou recentemente o Oscar de melhor documentário em curta-metragem ao retratar como as mulheres no interior da Índia sofrem com as precariedades e o desconhecimento sobre o uso de absorventes. Com uma duração e 26 minutos a documentário mostra como a cultura oriental, especificamente em alguns lugares do mundo não tem as informações que a grande maioria possuem. E neste filme há a retratação do estigma em relação a menstruação. As mulheres usam panos quando estão no período menstrual e nunca ouviram falar de absorventes. A chegada de uma máquina que é capaz de produzir absorventes em um custo menor acaba mudando a realidade daquelas mulheres.

 

 

She’s Beautiful When She’s Angry

women
Foto: Divulgação

Este documentário de 1h30 nos apresentam grupos de mulheres nos Estados Unidos que iam às ruas lutar pela independência feminina sobre seus corpos. Com relatos de senhoras que protestaram naquela época pela liberação sexual feminina, a reivindicação do uso legal de anticoncepcionais, a luta contra os padrões estéticos exigidos, o direito de igualdade salarial, o direito ao relacionamento homo afetivo. Todos esses tópicos debatidos naquela época ainda são colocados em pauta atualmente na mulher moderna. Com esse cenário é notável que a luta é contínua, que as mulheres sempre tiveram que persistir inúmeras vezes para que o estado e a constituição fizessem o seu papel, e até mesmo tivera que ser mudado pois as leis já não condizia com a realidade feminina e até hoje não condiz. De forma quase que didática o documentário exibe um contexto de luta e mudança, mas também de persistência que perdura até hoje.

 

 



 

Feministas: O que elas estavam pensando      

feminists-what-were-they-thinkingg
Foto: Divulgação

Com fotografias que retratam as mulheres dos anos 70, o documentário de 1h30 reflete a união de mulheres de todos os grupos sociais em prol dos direitos femininos. Em um período no qual eram vistas como loucas por não quererem ser colocadas em uma caixa em que poderiam ser direcionadas regras que não condizem com o que todas eram de verdade, elas eram contra a cultura imposta. Fotos que mostram a real identidade daquelas mulheres que não conseguiam ser vistas e escutadas e que hoje por causa delas muitas mulheres atualmente conseguem ter maior liberdade de escolha. Repudiando claramente os dogmas que dizem como uma garota deve se portar, as feministas do documentário ressaltam que a liberdade de gênero é mais importante do que sentar de pernas fechadas.  

 

 

*Isabelle Vasconcelos/Estagiária sob supervisão

Foto destaque: Divulgação

 

Leia também: Mais cinco documentários na Netflix sobre o mundo da música

 

Gostou do conteúdo? Então não esquece de ativar as notificações no sininho, no canto inferior da tela do desktop!

Aproveita e segue a gente no nosso Instagram e Facebook para ver o conteúdo que postamos por lá! <3

 

Deixe seu comentário!
%d blogueiros gostam disto: